repositórios

Próxima geração de repositórios institucionais: chamada para comentários públicos

Próxima geração de repositórios institucionais: chamada para comentários públicos

A Confederação de Repositórios de Acesso Aberto (COAR) anuncia a publicação dos resultados iniciais do Grupo de Trabalho COAR Next Generation Repositories para comentários públicos.

COAREm abril de 2016, a COAR lançou um grupo de trabalho para identificar novas funcionalidades e tecnologias para os repositórios e desenvolver mecanismos para a sua adoção.

O objetivo é posicionar os repositórios como a base para uma infraestrutura distribuida, globalmente em rede para a comunicação académica, acrescentando serviços de valor acrescentado, transformando o sistema, tornando-o mais centrado na pesquisa, aberto e apoiante da inovação.

Subjacente a essa visão está a ideia de que uma rede distribuída de repositórios pode e deve ser uma poderosa ferramenta para promover a transformação do ecossitema, ou seja, a comunicação académica. Neste contexto, os repositórios permitirão o acesso a artigos publicados com uma ampla gama de informação, além de publicações tradicionais, tais como documentos de trabalho, imagens, entre outros.

O grupo de trabalho apresenta 12 testemunhos de utilizadores que deliniaram funcionalidades para os repositórios, os quais recomendamos, vivamente, que consultem e comentem: nextgenrepo.coar-repositories.org

Pretende-se ter um feedback generalizado da comunidade, pelo que, todos os comentários são importantes!

Os comentários ao público estão abertos de 7 de fevereiro a 3 de março de 2017.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 13 de Fevereiro de 2017 Read More →
Workshop – A Ciência Aberta no H2020

Workshop – A Ciência Aberta no H2020

Workshop – Open Science and European Open Access policies in H2020

Realiza-se no próximo dia 26 de abril, das 9:00 às 12:00 no Centro Cultura Vila Flor em Guimarães, integrado no 5° Encontro Português de Jovens Químicos (PYCheM) e o 1° Encontro Europeu de Jovens Químicos (EYCHeM) (http://5pychem.eventos.chemistry.pt/), um workshop dedicado à Ciência Aberta e à política Open Access do programa quadro H2020.

Focado nos jovens investigadores, este workshop pretende apresentar as vantagens da Ciência Aberta no contexto atual da gestão de ciência e a forma como os financiadores potenciam esse contexto aberto, quer para as publicações, quer para os dados científicos.

Programa:

What could Open Science mean for Chemistry? – Simon Coles – University of Southampton

Open Access to Publications in H2020 – Pedro Príncipe – University of Minho

Research Data Management – Joy Davidson – Digital Curation Centre

 

Esta iniciativa promovida pelo projeto FOSTER permite-lhe participar gratuitamente no workshop, sujeito a inscrição através do correio eletrónico europychem@gmail.com para onde devem enviar o vosso nome completo.

 

pychem

 


foster
 sdum

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 19 de Abril de 2016 Read More →
Lançamento do Repositório institucional da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e

Lançamento do Repositório institucional da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e

Foi apresentado em Dili, no dia 24 de novembro, o Repositório da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e, numa sessão que contou com a presença do Reitor da Universidade do Minho. A criação deste novo repositório, que se constitui como mais um marco relevante para o crescimento do acesso aberto no espaço lusófono, é o resultado de um protocolo celebrado entre a Universidade Nacional de Timor Lorosa’e e a Universidade do Minho.

O Repositório UNTL disponibiliza um acervo crescente das publicações científicas produzidas nas universidades de Timor Lorosae. O objetivo do Repositório UNTL é armazenar, preservar, divulgar e dar acesso à produção intelectual das instituições timorenses em formato digital e maximizar a visibilidade, uso e impacto da sua investigação através do Acesso Aberto.

Consulte e divulgue >>> http://repositorio.untl.edu.tl/

Repositorio_UNTL_Pagina_principal

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 7 de Dezembro de 2015 Read More →
Auditoria aos Repositórios Científicos Institucionais de Portugal revela fiabilidade na gestão e preservação de objetos digitais. Abrangendo cerca de 28 repositórios, esta iniciativa de auditoria em grande escala é pioneira a nível mundial

Auditoria aos Repositórios Científicos Institucionais de Portugal revela fiabilidade na gestão e preservação de objetos digitais. Abrangendo cerca de 28 repositórios, esta iniciativa de auditoria em grande escala é pioneira a nível mundial

O RCAAP (Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal), operado pela unidade FCCN da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT|FCCN) com o apoio da Universidade do Minho, concluiu a auditoria que tinha como objetivo aferir o nível de conformidade da infraestrutura de suporte aos repositórios SARI (Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais) relativo ao referencial normativo ISO 16363:2012Audit and certification of trustworthy digital repositories. Esta auditoria interna revelou um elevado nível de maturidade relativamente ao cumprimento dos requisitos normativos, estando os repositórios integrados no serviço SARI bem preparados em termos de infraestrutura, fiabilidade e segurança na preservação de objetos digitais.auditoria_imagem_press.fwA auditoria agora terminada é o culminar de uma necessidade identificada em 2012, pela equipa do projeto RCAAP,  para melhorar as práticas e suporte no domínio da preservação digital e fazer face às crescentes responsabilidades relativas ao depósito legal das teses e dissertações e à implementação da política de acesso aberto da FCT. Efetivamente, a 15 de setembro foi aprovado o Regulamento Técnico de Depósito de Teses e Trabalhos de Doutoramento e de Dissertações de Mestrado (Portaria nº 285/2015). Esta Portaria obriga ao depósito de uma cópia digital num repositório integrante da rede RCAAP. Por outro lado, a Política de Acesso Aberto da FCT, aprovada em 16 de janeiro de 2014 e aplicável às publicações resultantes do financiamento concedido em concursos lançados desde de 5 de maio de 2014, defende a disponibilização dos resultados da investigação científica através da internet, de forma aberta, livre e sem custos para o utilizador.

Por estes motivos, para que os processos tivessem os níveis de confiança necessários para os diferentes intervenientes, revelou-se necessário proceder a uma auditoria interna que permitisse aferir o nível de maturidade dos vários repositórios que integram a rede SARI, em três dimensões: Infraestrutura Organizacional (1ª fase); Gestão de Objetos Digitais e Infraestrutura e Gestão da Segurança (2ª fase).

Na 1ª fase, os responsáveis pelos repositórios, associados à dimensão infraestrutura organizacional, foram convidados a fornecer evidências para todos os níveis de conformidade da referida dimensão e a realizarem um exercício de autoavaliação para cada um dos requisitos do referencial normativo em análise. Nesta dimensão, os repositórios institucionais obtiveram, numa escala de 1 a 4, na auditoria preliminar (de diagnóstico) uma avaliação média de 2.1. Na sequência da implementação de uma parte significativa das recomendações da auditoria de diagnóstico o valor médio aumentou para 3.4 na auditoria final.

Na 2ª e última fase, após análise de todas as evidências, o serviço SARI foi capaz de aumentar, numa escala de 1 a 4, o seu nível de maturidade relativamente ao cumprimento dos requisitos do referencial normativo ISO 16363, de 2.8 para 3.7 para a dimensão Gestão de Objetos Digitais. Por sua vez, no que diz respeito aos requisitos referentes à infraestrutura e gestão da segurança, o repositório aumentou o seu nível de maturidade média de 2.6 para 3.8.

O projeto Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP), gerido pela FCT|FCCN, com o suporte científico e técnico da Universidade do Minho, visa aumentar a visibilidade, acessibilidade e a divulgação da produção científica nacional e integrar Portugal nas iniciativas internacionais no domínio do Open Access e infraestruturas de apoio à ciência.

Para além do serviço eletrónico de alojamento de repositórios institucionais (SARI), nos últimos anos, o projeto RCAAP alargou o seu âmbito de atuação, desenvolvendo novos serviços para servir a comunidade científica portuguesa. Entre estes destacam-se o serviço de alojamento de revistas científicas (SARC), o serviço centralizado de estatísticas de uso (SCEUR) e o repositório de dados científicos.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 29 de Novembro de 2015 Read More →
Mobilidade BAD nos SDUM

Mobilidade BAD nos SDUM

Subordinado ao tema “Projetos Open Access da Universidade do Minho: do RepositóriUM à infraestrutura Europeia do Acesso Aberto”, os Serviços de Documentação da Universidade do Minho (SDUM) receberam no passado mês de maio, no âmbito do programa de mobilidade da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), 7 participantes oriundas do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Instituto Politécnico do Porto, do Instituto Politécnico de Lisboa e da Universidade de Lisboa.

Bad

O programa de visita proposto centrou-se na atividade do gabinete de projetos Open Access dos SDUM. Os SDUM têm desenvolvido ao longo dos últimos dez anos um vasto trabalho na dinamização dos Repositórios Institucionais e no desenvolvimento do Acesso Aberto no panorama nacional e internacional. A disponibilização deste programa procurou guiar as participantes desde as componentes essenciais de operação de um Repositório Institucional até à integração deste sistema de informação científica em infraestruturas de âmbito nacional (RCAAP) e europeu (OpenAIRE), procurando destacar os requisitos de interoperabilidade (normas, protocolos e diretrizes técnicas) inerentes aos processos de integração dos sistemas.

Estes e outros programas que os SDUM têm vindo a acolher representam oportunidades cruciais para a troca de experiências profissionais e partilha de informação em virtude da melhor compreensão e disseminação do Acesso Aberto.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 25 de Junho de 2015 Read More →
A Conferência Open Repositories 2015

A Conferência Open Repositories 2015

Um dos maiores eventos internacionais dedicados à temática dos repositórios decorreu nos dias 8 a 11 de junho de 2015 na cidade de Indianapolis nos Estados Unidos.

Tem sido habitual a participação de elementos do Gabinete de Projetos Open Access da Universidade do Minho no Open Repositories, que decorre anualmente, mas alternadamente na Europa e nos Estados Unidos. Este fórum de ideias focadas nos repositórios engloba vários interessados, desde elementos mais técnicos, bibliotecários, gestores de repositórios, etc.

Além de permitir estar em contato direto com os intervenientes dos projetos mais inovadores nesta área, permite também apresentar o trabalho desenvolvido, quer em Portugal no âmbito do projeto RCAAP, quer a nível internacional nos projetos em que a Universidade do Minho participa.

Dando seguimento ao trabalho apresentado no ano passado na Finlândia sobre o processo de auditoria aos repositórios institucionais do serviço SARI, foram agora apresentados os resultados finais da auditoria. Apesar de não ser um tópico focado em desenvolvimentos como muitos que são apresentados, esta temática tem revelado bastante interesse e curiosidade na comunidade internacional. Apesar dos processos de auditoria serem já bastante usados, não o tinham ainda sido no contexto dos repositórios institucionais, e ainda menos na escala potenciada pelo serviço SARI em que foram analisados 25 repositórios.

Por outro lado, o processo de auditoria só é efetivamente desenvolvido quando existe alguma maturidade nos processos e nos serviços, e isso denota também a qualidade e o empenho que os gestores de repositórios têm no desempenho das suas atividades.

No âmbito do OpenAIRE, foi apresentada uma comunicação que apresenta a rede de repositórios do OpenAIRE e os seus serviços e foca na importância dos repositórios institucionais como serviços de valor acrescentado. Um dos exemplos apresentados foi a integração das publicações financiadas pela FCT no Portal OpenAIRE.

Em cada conferência são aproveitados alguns dias, antes e depois do evento, para juntar presencialmente alguns grupos de interesse como no nosso caso do DSpace.

dspace_logo

No que diz respeito às novidades, foi apresentado o plano estratégico para as próximas duas versões do DSpace, quer do ponto de vista tecnológico como da gestão da comunidade e da sua sustentabilidade.

As próximas prioridades podem ser consultadas no Roadmap da aplicação. Está já a ser preparado o Dspace 6 para ser disponibilizado à comunidade este ano com mais alguma novidades. Um dos aspetos que merece ser destacado é a previsão de que o Dspace 7 tenha já uma única interface do Dspace, terminado nesse momento os desenvolvimentos paralelos que têm vindo a ser desenvolvidos para os interfaces JSPUI (em uso nos repositórios SARI) e XMLUI.

Os principais tópicos abordados foram o uso do ORCID no contexto dos repositórios e integrados com sistemas de gestão das instituições de ensino, sendo alguns deles sistemas CRIS (Current Research Information Systems). As ontologias, os dados científicos e a preservação digital foram outras das temáticas apresentadas. Poderão consultar o programa e respetivas apresentações no website.

De destacar ainda as duas sessões plenárias, a primeira com Katlin Thaney que abordou a questão da “Open Science” e dos projetos desenvolvidos no Mozilla Science Lab (consultar apresentação). Na segunda sessão plenária, foi a vez de um dos criadores do Google Scholar, Anurag Acharya tecer um conjunto de problemas e resoluções no que diz respeito à indexação dos repositórios científicos no nesse serviço (consultar apresentação). As gravações das sessões serão disponibilizadas posteriormente.

A próxima edição do Open Repositories 2016 será em Dublin, na Irlanda!

Or2016

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 18 de Junho de 2015 Read More →
Experimente o Novo Validador RCAAP

Experimente o Novo Validador RCAAP

O Projeto RCAAP disponibilizou recentemente a versão beta do novo Validador RCAAP. Esta nova versão pretende tornar mais versátil e alargar o âmbito do tipo de validações disponíveis aos recursos de informação científica.

Usando como interface o protocolo OAI-PMH, este validador analisa os metadados de acordo com diversos contextos de validação como as diretrizes DRIVER, trabalhos financiados pela FCT, pela comissão europeia através das diretrizes OpenAIRE, as teses e dissertações, entre outros perfis. Integrada no processo de agregação do Portal RCAAP, a ferramenta pode ainda ser usada para apoiar planos de preservação de dados, identificando os formatos dos ficheiros através da ferramenta FITS.

O processo de validação de metadados aplica 3 tipos diferentes de validações:

  1. Verifica a presença de elementos (ex: título);
  2. Verifica se o elemento está bem formatado (ex: data);
  3. Verifica se o conteúdo é igual a um vocabulário (ex: dc.rights com base em orientações driver).

Uma das principais novidades da segunda versão do Validador RCAAP é a possibilidade de escolher um determinado conjunto (set do OAI-PMH), ou seja, uma coleção do repositório ou uma secção de uma revista.

Finalmente, integra uma nova interface e uma tradução em Inglês para que esteja disponível para os gestores de repositórios de todo o mundo.

Validador RCAAP 2

Esta atualização do Validador RCAAP disponibiliza uma ferramenta para promover a qualidade do repositório, a sua harmonização e a interoperabilidade a nível nacional e internacional.

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 5 de Maio de 2015 Read More →
Open Access: as primeiras visitas de 2015 aos SDUM

Open Access: as primeiras visitas de 2015 aos SDUM

Dando continuidade às visitas realizadas anteriormente ao Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação, quer por parte de colegas de universidades de outros países, quer de colaboradores dos projetos europeus, recebemos no último mês diversos colegas.

Cristal.fwNa semana de 16 a 20 de março, no âmbito do programa IACOBUS, recebemos a Cristal Martínez Pousa, da Universidade de Santiago de Compostela, Espanha.

A equipa dos Serviços de Documentação apresentou os projetos Open Access em que tem participado, quer a nível nacional (projeto RCAAP), quer a nível internacional (OpenAIRE, FOSTER e PASTEUR4OA). Já o RepositóriUM com destaque nos workflows, política institucional, procedimentos de monitorização e estatística, foi também apresentado neste intercâmbio profissional.

Por sua vez Cristal Martínez Pousa teve a possibilidade de nos dar a conhecer a realidade do repositório da Universidade de Santiago de Compostela.

Jochen.fw

Durante este mês de abril, na sequência da co-organização e participação dos Serviços de Documentação na conferência anual COAR-SPARC visitou-nos Jochen Schirrwagen, da Universidade de Bielefeld, Alemanha, responsável pelo processo de data curation do portal OpenAIRE e da equipa das directrizes OpenAIRE.

Taro.fwEm simultâneo, recebemos Misumi Taro, Gestor  do repositório da Universidade Chiba, Japão, com o objetivo prático de se inteirar das questões práticas do RepositóriUM.

Todas as visitas acolhidas se revelam em excelentes oportunidades de troca de informação e experiências profissionais, sobre diferentes perspectivas, em prol dos desenvolvimentos do Acesso Aberto.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 23 de Abril de 2015 Read More →
Atualização do RepositóriUM para DSpace 4

Atualização do RepositóriUM para DSpace 4

Na passagem do seu 11.º aniversário, com o intuito de acompanhar a evolução tecnológica, garantir a segurança e a qualidade do serviço que presta, o RepositóriUM acaba de atualizar a plataforma que lhe serve como suporte (DSpace) para a versão 4. Na sequência desta migração, o repositório institucional da Universidade do Minho apresenta-se agora com uma interface gráfica totalmente nova, que lhe oferece uma experiência totalmente nova em termos de usabilidade, bem como um conjunto alargado de melhorias e novas funcionalidades!

Apresenta-se em seguida um resumo de algumas das novidades mais relevantes disponíveis nesta versão:

Novas Funcionalidades:

    • Nova interface gráfica: A nova interface gráfica baseia-se na versão JSPUI (Bootstrap-based) do sistema DSpace e apresenta uma aparência mais “moderna” e mais próxima da linha gráfica dos sites institucionais da UMinho. A nova interface é também “responsive” (ou seja, adapta-se automaticamente ao dispositivo e à resolução na qual está a ser visualizado).
    • Novas formas de depositar: Para além do depósito padrão (através do preenchimento de um formulário para recolha da informação sobre o documento), já existente nas versões anteriores, existem agora duas novas formas de depositar: 1) Depósito a partir de um identificador – Nesta modalidade o depositante pode pré-carregar metadados relativos ao seu documento a partir de um identificador (ex. DOI, PubMed ID, arXiv ID,…); 2) Depósito a partir de um ficheiro – Nesta modalidade o depositante poderá pré-carregar metadados relativos ao documento em depósito, mas a partir de um ficheiro de formato bibliográfico (ex. formato “ris”, “endnote” ou “arXivXML”,…).
    • Ajuda em contexto sobre copyright e versões a depositar: Com base numa API do serviço SHERPA/RoMEO e com intuito esclarecer dúvidas sobre copyright e de facilitar na seleção da versão que poderá auto-arquivar no RepositóriUM, passa a estar disponível na fase de carregamento do(s) ficheiro(s) (upload) uma área com informação relevante sobre a publicação que está a depositar.
    • Novo motor de pesquisa e filtros de refinamento: O motor de pesquisa da plataforma foi alvo de diversos melhoramentos. Neste momento as pesquisas passarão a ser insensíveis a acentos (diacríticos) e passam a ser apresentadas sugestões para a pesquisa em curso (“did you mean”). Ao nível da descoberta dos conteúdos foram também acrescentados filtros por autores, assuntos e datas de publicação que permitirão um melhor refinamento da informação recuperada.
    • Ferramentas para importação de metadados: Ao nível das ferramentas de administração passou a ser possível promover a importação de metadados em batch (em lote) com base em vários formatos bibliográficos conhecidos (ex. pubmedXML, crossRefXML, arXivXML, ciniiXML, bibtex, ris, endnote, csv, tsv).
    • Melhoramentos ao nível da indexação com o Google: Para efeitos de uma melhor indexação e da recuperação dos conteúdos arquivados no RepositóriUM foram introduzidos diversos melhoramentos e otimizações no sistema recomendadas pela Google.
    • Swordv2: Neste caso, para efeitos específicos de interoperabilidade com outros sistemas, o RepositóriUM passou a dispor em funcionamento de uma versão atualizada do protocolo Swordv2.

Apesar de se já se encontrar ativa há alguns meses, será ainda de referir a integração do RepositóriUM com Intranet da UMinho, com a qual a forma de nome dos autores da UMinho passa a estar ligada à Intranet da UMinho. Na sua área de informação profissional os membros da UMinho podem agora definir uma forma de nome científico preferencial para efeitos do RepositóriUM, o que permite desambiguar e consolidar os nomes dos autores da UMinho. A este respeito da identificação dos autores, tão rapidamente quanto possível, também se pretende realizar a integração com o sistema ORCID.

Outras melhorias:

    • UMinho Statistics Add-on: O add-on de estatísticas do RepositóriUM sofreu uma profunda remodelação com o intuito de o refrescar e de o aproximar ao novo modelo de navegação desta nova versão, os gráficos apresentam-se agora mais interativos (baseados em javascript) e também de acordo com a nova linha gráfica. Ao nível das comunidades e coleções foi incluída mais informação (tops e gráficos) e de um modo geral foram ainda incluídas novas estatísticas, bem como atualizada a base de dados de países (e respetiva API) para uma maior precisão nos dados apresentados.
    • Add-on First Page: O Add-on First Page é uma novidade e foi desenvolvido com o intuito acrescentar uma folha de rosto com informação (metadados) proveniente do RepositóriUM e dessa forma permitir uma melhor referenciação e contextualização dos documentos após o seu download do RepositóriUM ou quando acedidos diretamente através de motores de busca externos ao sistema (ex. Google) e em que se pode perder o contexto. Sendo configurável, nesta fase encontra-se apenas aplicado nas teses de doutoramento e nas dissertações de mestrado.
    • Request Copy (pedido de cópia ao autor) Nesta versão do RepositóriUM, o Request Copy já se encontra integrado nas funcionalidades de base do sistema, porém foram introduzidas melhorias no sentido de possibilitar o envio dos pedidos de cópia de diretamente para o(s) contacto(s) definido(s) pelo(s) autor(es) nos formulários de depósito ao invés do contacto do depositante (que poderá não ser o autor). Neste particular, foi ainda acrescentado um mecanismo de captcha (Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart), ou seja, uma ferramenta anti-spam para se evitar pedidos indesejados.
    • Expand/collapse da página de Comunidades & Coleções: Esta funcionalidade de expand/collapse que possibilita minimizar a (extensa) lista de Comunidades & Coleções e mostrar/ocultar toda a estrutura de sub-comunidades/coleções já existia na versão anterior do RepositóriUM, mas nesta versão foram introduzidas melhorias ao nível do seu funcionamento, bem como a sua conjugação com a nova linha gráfica.
    • Melhoramentos nos formulários de depósito: Foram introduzidos melhoramentos no layout dos formulários de depósito para uma maior legibilidade e usabilidade. Adicionalmente, alguns dos campos passaram a estar ligados a listas autoritativas que permitem completar a informação de forma mais simples e consolidada (preenchimento por “suggest”).

Estas e mais novidades encontram-se a partir de agora disponíveis no RepositóriUM, por esta e outras razões sugerimos que revistem o repositório institucional da Universidade do Minho, consultem a produção científica produzida na UMinho e partilhem conhecimento científico!

Por fim, sobre esta atualização do RepositóriUM, caso tenha dúvidas, questões ou nos queira transmitir os seus comentários, poderá faze-lo contactando-nos através de correio electrónico: repositorium@sdum.uminho.pt

Ainda sobre o DSpace 4.x:

Autor: Ricardo Saraiva

Gestor do RepositóriUM - repositório institucional da Universidade do Minho.

By 28 de Novembro de 2014 Read More →
O que é o ORCID?

O que é o ORCID?

Hoje em dia é cada vez mais difícil manter uma lista atualizada do número de publicações que os investigadores desenvolvem, quer orcid_128x128pela diversidade de serviços de informação onde os trabalhos são publicados e distribuidos, quer pela quantidade de trabalhos desenvolvidos em co-autoria. Nos processos de gestão desta informação existiu sempre a problemática da identificação inequívoca do autor, sendo na maior parte dos casos apenas possível ao nível da instituição.

O ORCID (Open Researcher and Contributor Identifier), pretende resolver esse problema através da atribuição de um identificador universal a cada investigador.

ORCID para Investigadores

O ORCID é gratuito para os investigadores e permite a criação de uma conta pessoal onde o autor identifica a sua publicação científica nas bases referenciais disponíveis (ANDS, PubMed Central, ResearcherID, SCOPUS, DataCite, CrossRef…). Para cada uma das fontes, o autor deve autorizar a fonte (base de dados) para associar ao seu perfil e desse modo poder usufruir da integração desenvolvida nessa base de dados para o ORCID.

Por exemplo, se adicionar a CrossRef Metadata Search ao seu perfil ORCID, vai aceder ao serviço já autenticado com a sua conta do ORCID, permitindo a associação dos registos de uma forma mais fácil e integrada.

figura3

Login ORCID integrado no CrossRef

 

Após uma pesquisa, o utilizador tem acesso a um botão que adiciona a produção científica identificada na conta ORCID do utilizador.

figura2

Registo da Pesquisa no CrossRef com ORCID

Este mecanismo permite de forma clara e integrada adicionar os registos à sua conta.

Nos caso dos utilizadores que não seguem diretamente a via do ORCID para ir consultar as bases de dados, existe no próprio sistema (CrossRef Metadada Search neste exemplo) uma opção para efetuar login com as credenciais do ORCID como ilustra a seguinte figura.

figura1

Login no CrossRef Metadata Search com dados do ORCID

Para os investigadores que não possuem os seus trabalhos nas bases de dados ligados ao ORCID, têm sempre a possibilidade de colocar o registo manualmente ou de enviar uma lista de referências bibliográficas em Bibtex.

Veja o vídeo oficial sobre o serviço ORCID que demonstra facilmente como funciona o ORCID.

What is ORCID? from ORCID on Vimeo.

 

ORCID para Organizações

Nas organizações que desenvolvem investigação, como as Universidades, Institutos, Hospitais, etc, o foco de atuação do sistema ORCID está nos relatórios da atividade científica, na consulta dessa informação e na introdução dessa informação nos sistemas internos das instituições.

Por outro lado, permite a criação de contas dos autores atualizadas com as contas institucionais. Finalmente, permite utilizar a informação do ORCID para popular o repositório institucional ou até atualizar o ORCID com base no que está no repositório.

 

Programadores

Enquanto serviço integrado que o ORCID pretende ser, têm feito esforços no sentido de definir novas oportunidades para integrarem os identificadores ORCID nos sistemas existentes e nos seus workflows como nos RIS, sistemas de gestão de revistas, de financiadores e bases de dados sob subscrição. Só a partir do momento em que os dados são integrados localmente é que é depois possível ligar toda a informação e de forma automática ao autor.

Existe documentação para os programadores, onde podem iniciar e conhecer um pouco melhor a API do ORCID (http://support.orcid.org/knowledgebase/articles/180285-introduction-to-the-orcid-api), registar a API de desenvolvimento (http://orcid.org/node/176), e pedir ajuda (http://support.orcid.org/).

Existe também uma apresentação das 5 formas mais comuns de integrar com o ORCID (http://prezi.com/xdrpzjogxqns/orcid-member-integration-guide/):

– Obter o ORCID ID de um utilizador
– Obter dados de um registo ORCID
– Permitir a importação do fornecedor de dados
– Ligar o perfil de utilizador ao sistema de autoridade institucional
– Criar ID´s ORCID para os colaboradores

Pode-se monitorizar a evolução das integrações com o ORCID: http://orcid.org/organizations/integrators/integration-chart assim como as integrações atuais com o ORCID: http://orcid.org/organizations/integrators/current

Para se poder utilizar algumas funcionalidades avançadas do serviço é necessário tornar-se membro institucional e aderir a um dos acordos disponíveis, dependendo do tipo de integração e âmbito desejados.

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 13 de Novembro de 2014 Read More →
O Portal do Conhecimento de Cabo Verde

O Portal do Conhecimento de Cabo Verde

Resultante de um protocolo de colaboração entre a Universidade do Minho e o Ministério do Ensino Superior, Ciência e Inovação de Cabo Verde (MESCI), o Portal do Conhecimento reúne a produção científica de um conjunto alargado de instituições assim como um acervo bibliográfico de documentos governamentais e históricos sobre Cabo Verde.

Coube ao Gabinete de Projetos Open Access o desenvolvimento do Portal no qual foi adotado um conceito misto de biblioteca digital e de repositório científico. Esta abordagem obrigou à utilização de dois esquemas de metadados distintos, permitindo a separação clara destas duas tipologias de documentos e a adoção das diretrizes DRIVER para os conteúdos científicos.

No levantamento dos recursos disponíveis para integrar o Portal do Conhecimento, existia já o Repositório da Universidade Jean Piaget que foi automaticamente integrado no Portal, permitindo-lhe independência total dos seus conteúdos. Os restantes conteúdos são submetidos automaticamente no Portal pelas respetivas comunidades.

cabo_verde_screenshot

Iniciado em março de 2012, o Portal do Conhecimento conta, dois anos depois, com 581 registos da biblioteca digital e 1638 trabalhos científicos.

Na biblioteca digital existem diversos documentos sobre Cabo Verde assim como equivalências de teses e dissertações.

Ao nível dos trabalhos científicos desenvolvidos em instituições de Cabo Verde, conta principalmente com teses e dissertações, cerca de 60% dos documentos, sendo que cerca de 90% estão disponíveis em língua portuguesa.

O Portal do Conhecimento de Cabo Verde é mais uma iniciativa que contribui para a disponibilização em acesso aberto da produção científica em língua portuguesa!

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 4 de Agosto de 2014 Read More →
Verifique a visibilidade do seu repositório!

Verifique a visibilidade do seu repositório!

Neste contexto digital de gestão da informação científica é fundamental garantir que a presença na web está otimizada para que os utilizadores encontrem realmente aquilo que procuram.

No contexto dos repositórios de informação científica, as maiores fontes de tráfego continuam a ser os motores de pesquisa como o Google Scholar que identificam, organizam e disponibilizam para pesquisa os conteúdos dos repositórios. Contudo, para que tudo isto funcione é necessário que os repositórios, assim como outros recursos na internet, tenham em atenção alguns aspetos básicos de SEO (Search Engine Optimization).

Cientes da problemática, o DuraSpace, Google Scholar e a @mire desenvolveram e apresentaram na conferência “Open Repositories 2014” uma pequena ferramenta gratuita “DSpace SEO analysis” que pretende analisar rapidamente o seu repositório e identificar eventuais falhas.

DSpace_SEO

Esta análise ao repositório baseia-se no ficheiro “robots.txt” que possui um conjunto de regras com base nessa informação poderá imediatamente ter acesso a um pequeno relatório. Se desejar mais informações deverá solicitar através de email que deve ter o mesmo domínio do endereço do repositório.

Estão previstas mais funcionalidades de futuro, mas para já verifique o seu repositório!

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 25 de Julho de 2014 Read More →
Migração do RepositóriUM para DSpace 3.2

Migração do RepositóriUM para DSpace 3.2

Com o intuito de acompanhar a evolução tecnológica, garantir a qualidade e a segurança do serviço que presta, bem como melhorar e apresentar novas funcionalidades aos seus utilizadores, o RepositóriUM atualizou recentemente a plataforma que lhe serve como suporte para a versão 3.2 do DSpace.

Neste processo de atualização, considerou-se a manutenção da interface JSPUI e pressupôs-se que todas as características e add-ons atuais do RepositóriUM seriam mantidos, pretendeu-se também introduzir melhorias, instalar novos add-ons e configurar as novas funcionalidades desta nova versão do DSpace em consonância com a realidade local.

Novas Funcionalidades:

Novo Interface OAI-PMH – Este novo interface OAI-PMH (http://repositorium.sdum.uminho.pt/oai/oai?verb=Identify) baseia-se no conceito inicial do add-on desenvolvido no âmbito do Projeto RCAAP (add-on OAIextended) que permite a configuração de conjuntos (sets) de informação organizados com base em determinados requisitos. A aplicação prática destes conjuntos é a possibilidade de disponibilizar informação com base nas diretrizes DRIVER, OpenAIRE ou outras. Permite configurar, através de filtros e modificadores, todo o conteúdo do repositório. Para consultar, filtrar e modificar o conteúdo, usa o SOLR, permitindo assim devolver um grande número de informação em muito pouco tempo;

Interface Mobile – Foi ativada uma interface mobile para o RepositóriUM (http://repositorium.sdum.uminho.pt/xmlui/) com o intuito de melhor corresponder aos requisitos específicos de telemóveis, tablets, etc. Na prática, uma interface deste tipo caracteriza-se por um look & feel semelhante aos das aplicações mobile e a possibilidade de manuseamento através de inputs específicos destes dispositivos como: swipe, touch, etc.;

Nova navegação por Comunidades&Coleções – Esta funcionalidade permite minimizar a (extensa) lista de Comunidades&Coleções (http://repositorium.sdum.uminho.pt/community-list) e mostrar/ocultar toda a estrutura de sub-comunidades/coleções que está implementada no RepositóriUM. Neste caso, registamos um especial agradecimento à Universidade de Évora e à equipa que gere o seu repositório institucional, que gentilmente nos facultou know-how já adquirido para readaptar esta funcionalidade;

Exibição de citações – Com base numa API da SCOPUS e em metadados específicos dos registos do RepositóriUM (campo DOI – criado específicamente),  quando aplicável, passaram a ser disponibilizadas o número de citações registadas na SCOPUS associadas a esses registos (exemplo de um registo no RepositóriUM: http://hdl.handle.net/1822/23429);

Ativação de Authority Control nos formulários de depósito – Nos formulários de depósito,  nomeadamente nos campos “Editora” e “Revista”, passou a estar disponível uma lista autoritativa de correspondência com base numa API do serviço SHERPA/RoMEO para o efeito;

Vocabulários controlados – Ainda em fase de testes, os formulários de depósito passarão a incluir a possibilidade de introduzir as áreas científicas de acordo com o Fields of Science and Technology (FOS) e a sua ulterior pesquisa  no RepositóriUM (https://repositorium.sdum.uminho.pt/subject-search).

Melhorias:

Add-on Request Copy (pedido de cópia) – O add-on Request Copy foi reformulado por forma a permitir o envio dos pedidos de cópia de diretamente para o(s) contacto(s) do(s) autor(es) ao invés do depositante. Adicionalmente, foi introduzido um mecanismo de captcha (Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart), ou seja, uma ferramenta anti-spam;

UMinho Statistics Add-on – O add-on de estatísticas desenvolvido pela UMinho foi completamente revisto para possibilitar uma maior eficiência na gestão de grandes volumes de dados e adiconalmente foram introduzidas novas estatísticas;

Integração do RepositóriUM com Intranet da UMinho – Ainda em fase de testes, para efeito de autoridades, os autores da Universidade do Minho passarão a estar ligados à Intranet da instituição e dessa forma possibilitar desambiguar, consolidar autoridades e criar índices de autores internos, etc.

Ainda sobre o DSpace 3.2:

Autor: Ricardo Saraiva

Gestor do RepositóriUM - repositório institucional da Universidade do Minho.

By 18 de Fevereiro de 2014 Read More →
Webometrics Ranking (Edição Janeiro de 2014)

Webometrics Ranking (Edição Janeiro de 2014)

Foi dada a conhecer a última edição do Webometrics Ranking, com base em dados recolhidos durante os primeiros dias de janeiro de 2014, disponibilizando rankings que contemplam informação de instituições de ensino superior de todo o mundo (agora mais de 22.000!), classificadas de acordo com seu desempenho termos académicos/investigação, prestígio, visibilidade internacional, bem como, o seu compromisso relativamente a políticas de Acesso Aberto à sua produção científica.

Ranking Web of Repositories

Nesta edição do Ranking Web of Repositories a análise baseou em mais de 1.746 repositórios a nível mundial, sendo que a listagem é liderada por repositórios temáticos e o top 5 composto por: Arxiv.org e-Print Archive; Social Science Research NetworkSmithsonian/NASA Astrophysics Data System, Europe PubMed CentralResearch Papers in Economics.

Neste top mundial, em termos nacionais será de salientar a prestação do RepositóriUM, repositório institucional da Universidade do Minho, que continua o repositório português melhor posicionado, ocupando nesta edição a 28ª posição em termos mundiais absolutos! Contudo, considerando apenas repositórios institucionais, ou seja, excluindo repositórios temáticos, que ocupam os primeiros lugares por congregar publicações de milhares de autores de múltiplas instituições, o RepositóriUM ocupa o 19º lugar em termos mundiais, o 13º em termos europeus.

No contexto nacional será também de realçar globalmente a boa prestação dos repositórios portugueses, destacamos nesta edição o top 10 composto por:

Recorde-se que este ranking produzido pelo Centro Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) visa medir o impacto e a visibilidade das universidades na Web e apresenta os seus resultados com base em quatro indicadores: Presença, que mede o volume de informação publicada na web; Impacto, construído a partir dos links recebidos de terceiros; Abertura, a contagem do número de documentos que estão disponíveis a partir de repositórios científicos e Excelência, que inclui apenas os artigos de qualidade e que estão entre os 10% mais citados dentro cada disciplina.

Por fim, para além do ranking dos repositórios, no portal Webometrics poderemos ainda encontrar outros rankings relativos a Universidades (11.992),  Centros de investigação (7.761), Hospitais (11.997) e Escolas de Economia e gestão (1268).

Para informações mais detalhadas, poderá consultar o portal Webometrics: http://repositories.webometrics.info

Autor: Ricardo Saraiva

Gestor do RepositóriUM - repositório institucional da Universidade do Minho.

By 13 de Fevereiro de 2014 Read More →
DSpace 4.0 já disponível

DSpace 4.0 já disponível

A partir de hoje podem já descarregar a nova versão do DSpace, a 4.0.

As principais novidades são:
API Rest – Permite a consulta da informação contida no repositório (comunidades, coleções, registos) a partir de outros sistemas.
Request Copy – Esta funcionalidade foi incluída com base no addon Request Copy desenvolvido na Universidade do Minho e foi mais uma contribuição portuguesa para a aplicação DSpace.
Suporte para DOI – Sendo a utilização de identificadores persistentes uma boa prática na disseminação da produção científica, o DSpace tem agora suporte para o DOI (muito usado no contexto das revistas), além do já existente sistema Handle.

Além destas novidades, possui ainda atualizações ao suporte para a segunda versão do protocolo SWORD, melhorias na autenticação LDAP, na geração de miniaturas dos ficheiros, assim como melhorias na integração com o Google Scholar.

Ao nível da versão JSPUI, interface mais utilizado em Portugal, existe numa nova interface baseada no Bootstrap (ver outro post sobre o novo interface), assim como a possibilidade de ver os metadados de um registo na PubMed, Arxiv ou CrossRef.

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 19 de Dezembro de 2013 Read More →