temático

Conteúdos Webinar – Dicas para cumprimento dos Requisitos OA do H2020 e Ferramentas OpenAIRE para apoiar o reporting

Conteúdos Webinar – Dicas para cumprimento dos Requisitos OA do H2020 e Ferramentas OpenAIRE para apoiar o reporting

No passado dia 29 de abril decorreu o Webinar sobre o cumprimento dos requisitos de Acesso Aberto às publicações no H2020 e serviços OpenAIRE para apoiar o seu cumprimento.

Este Webinar teve como objetivo, numa primeira parte, o esclarecimento de questões relacionadas com os requisitos do Acesso Aberto às publicações científicas no Horizonte 2020, detalhando as especificações mais relevantes tais como: onde depositar as publicações, o que depositar e quando depositar; bem como a apresentação de algumas questões práticas no que diz respeito à publicação em Acesso Aberto, como por exemplo os custos de publicação (APCs – Article Processing Charges).

Na segunda parte do Webinar, foram apresentados os serviços OpenAIRE para apoiar o cumprimento dos requisitos apresentados anteriormente, nomeadamente o serviço de descoberta do OpenAIRE – OpenAIRE Explore – e as suas funcionalidades de pesquisa, identificação de repositórios para o depósito dos resultados de investigação, e a funcionalidade de ligação entre produtos de investigação e projetos.

A funcionalidade de ligação do OpenAIRE – OpenAIRE Link Service – é uma das mais relevantes para o apoio à função de reporting dos Projetos junto da Comissão Europeia, uma vez que o OpenAIRE é a fonte autoritativa para a Comissão Europeia para os Projetos H2020, e ao assegurar as ligações das publicações aos projetos através do OpenAIRE, elas serão automaticamente reportadas no EC’s Participant Portal.

Por fim, foi realizada uma sessão de demonstração do serviço OpenAIRE Explore com destaque para a funcionalidade de ligação e as páginas públicas dos projetos e organizações no portal do OpenAIRE.

Materiais

Os materiais resultantes deste Webinar estão disponíveis para consulta online em:

Autor: André Vieira

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 13 de Maio de 2019 Read More →
Conteúdos Webinar – Serviços OpenAIRE para Gestores de Repositórios

Conteúdos Webinar – Serviços OpenAIRE para Gestores de Repositórios

O OpenAIRE  disponibiliza uma grande variedade de serviços para apoiar o desenvolvimento e implementação da Ciência Aberta. Um dos serviços destacados neste Webinar é o Content Provider Dashboard, que oferece um conjunto de funcionalidades para gestores de repositórios, com vista à melhoria das suas coleções e a interoperabilidade com diretrizes globais.

Para além dos serviços em desenvolvimento, o OpenAIRE define também um conjunto de diretrizes para a interoperabilidade dos vários fornececores de conteúdos com o OpenAIRE (OpenAIRE Guidelines), para auxiliar os gestores de repositórios a expor os conteúdos das suas coleções, tendo em vista a sua integração com a infraestrutura OpenAIRE.

Para dar a conhecer estes serviços, os novos desenvolvimentos decorrentes da atualização das Guidelines do OpenAIRE e a expansão da Política de Aquisição de Conteúdos do OpenAIRE com impacto na interoperabiblidade dos repositórios, os Serviços de Documentação da Universidade do Minho levaram a cabo um Webinar destinado aos gestores de repositórios no passado dia 16 de abril.

Conteúdos do Webinar

O Webinar, dirigido por Pedro Príncipe e André Vieira, começa por apresentar as novidades na infraestrutura OpenAIRE, nomeadamente a expansão da Política de Aquisição de Conteúdos e as novas Diretrizes, destacando as principais implicações práticas para a interoperabilidade dos repositórios com o OpenAIRE, destacando-se o facto de o OpenAIRE pretender agregar todo o conteúdo e não apenas as publicações em Acesso Aberto ou com informação de financiamento.

No que às novas Diretrizes OpenAIRE diz respeito, foram também apresentado o trabalho em curso realizado pelo Projeto RCAAP para a atualização da infraestrutura seguindo as novas Guidelines OpenAIRE.

De seguida são apresentados os bastidores OpenAIRE, nomeadamente os serviços de back-end, text mining, broker, entre outros, com vista a uma melhor compreensão, por parte dos utilizadores dos serviços do OpenAIRE, sobre o modo de funcionamento do espaço de informação OpenAIRE e dos serviços ao utilizador.

De cariz mais prático, é apresentado de seguida o serviço OpenAIRE para gestores de repositórios, o Content Provider Dashboard, um ambiente de trabalho com serviços de enriquecimento de metadados, métricas de uso e monitorização da agregação. Para além da descrição e explicação do serviço, é também realizada uma demonstração ao vivo das funcionalidades mais relevantes.

Por fim, é realizada uma demonstração do serviço de descoberta do OpenAIRE (OpenAIRE Explore), explorando a forma como é exposta a informação pública dos repositórios registados no OpenAIRE.

Materiais

Os materiais resultantes deste Webinar estão disponíveis para consulta online em:

Autor: André Vieira

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 23 de Abril de 2019 Read More →
Conteúdos Webinar – Aspetos Legais na Gestão de Dados de Investigação

Conteúdos Webinar – Aspetos Legais na Gestão de Dados de Investigação

O OpenAIRE tem vindo a desenvolver uma série de materiais de suporte relacionados com os aspetos legais a ter em conta na gestão e utilização de dados de investigação.

Com vista a complementar estes materiais, o OpenAIRE levou a cabo um Webinar (em inglês) sobre as questões legais relacionadas com a gestão e proteção de dados de investigação, com foco nas necessidades dos investigadores e gestores de projetos, como atores fundamentais no processo de gestão de dados de investigação.

Webinar – Legal issues in Dealing with Research Data 

Os autores do webinar destacaram várias questões relacioanadas com os aspetos legais aplicados aos dados de investigação, nomeadamente, os direitos de autor, o direito Sui Generis de bases de dados, a aplicação das licenças Creative Commons, a reutilização e proteção de dados de investigação, o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados e manuseamento de dados sensíveis.

O webinar surge no seguimento da publicação de três guias OpenAIRE sobre estas temáticas, que apresentam de forma detalhada a aplicabilidade das licenças aos dados de investigação e bases de dados, bem como os direitos de autor. Estes guias, listados em seguida, pretendem apresentar de forma sistematizada um conjunto de regras, linhas orientadoras e recursos que permitam explorar o potencial da Ciência Aberta no domínio da investigação, tendo em vista abordar as questões dos direitos de autor.

Guias OpenAIRE sobre aspetos legais na gestão de dados de investigação

Os resursos deste webinar estão disponíveis em:

ApresentaçãoGravação


Para consultar outros recursos de informação OpenAIRE, visite a página de suporte em www.openaire.eu/support

Autor: André Vieira

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 3 de Abril de 2019 Read More →
ConfOA 2019: prolongado prazo de submissão de trabalhos

ConfOA 2019: prolongado prazo de submissão de trabalhos

Foi prolongado até ao próximo dia 15 de abril de 2019 o prazo para submissão dos trabalhos para a 10ª Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta (ConfOA), que este ano viaja até à Amazónia e decorrerá em Manaus, de 1 a 4 de outubro.

O processo de apresentação e modelos das propostas estão disponíveis para consulta e download no website da ConfOA em: https://confoa.rcaap.pt/2019/submissoes-on-line/

Assim, convidamos a comunidade a apresentar propostas de trabalhos sobre os seguintes temas:

  • Acesso Aberto e Dados de Investigação Abertos: sistemas, políticas e práticas
    • Repositórios digitais – institucionais, temáticos, de dados de investigação ou de património cultural
    • Revistas científicas de acesso aberto e tendências na comunicação e divulgação científica
    • Publicação institucional em acesso aberto
    • Gestão e partilha de dados de investigação – princípios FAIR, planos de gestão dados e infraestruturas para a gestão de dados de investigação
    • Definição, análise e avaliação de políticas institucionais e de financiadores
    • Modelos e padrões de metadados
    • Preservação Digital
    • Direitos de autor e acesso aberto
  • Ciência Aberta e outras expressões de conhecimento aberto
    • Ética, Integridade da Investigação e RRI (Investigação e Inovação Responsáveis)
    • Modelos tradicionais e alternativos de avaliação da Ciência (bibliometria e métricas alternativas)
    • Ciência cidadã
    • Dados governamentais abertos
    • Outras práticas de conhecimento aberto (hardware e software livre, educação aberta)
  • Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • CRIS – Sistemas de Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • Interoperabilidade entre sistemas de informação de apoio à atividade científica e académica
    • Normas e diretrizes
    • Identificadores persistentes

Acolheremos propostas sobre estes temas, bem como outros relacionados com os aspetos políticos, sociais, organizativos ou técnicos relacionados com a Ciência Aberta. Os trabalhos aceites serão publicados na Revista Ciência da Informação.

A Comissão Organizadora aguarda expectante a receção dos vossos trabalhos!

Acompanhe-nos nas redes sociais: Facebook: https://goo.gl/wQZHIR e Twitter: https://twitter.com/confoa

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 28 de Março de 2019 Read More →
Política de Aquisição de Conteúdos (OpenAIRE)

Política de Aquisição de Conteúdos (OpenAIRE)

No último trimestre de 2018 a Infraestrutura OpenAIRE apresentou e tornou pública a sua nova Política de Aquisição de Conteúdos (OpenAIRE) – OpenAIRE’s Content Aquisition Policy


A política de aquisição de conteúdos permite ao OpenAIRE recolher metadados de recursos provenientes de projectos de investigação científica (publicações, conjuntos de dados, software) e, estabelecer ligações entre estes recursos, que têm as mais variadas proveniências – repositórios institucionais ou disciplinares, portais agregadores, revistas digitais e bases de dados de publicações, repositórios de dados e de software.

O OpenAIRE ainda enriquece esses metadados, a partir das ligações (links) que faz entre estes diferentes produtos, através de processos de text and data mining (TDM). O core de toda esta acção, está na facilidade de acesso ao manancial de informação afeta a um projecto e a sua capacidade de interligar todos os seus produtos, permitindo que se tenha uma maior  monitorização dos fluxo de trabalho, no que diz respeito às publicações científicas, em prol da Ciência Aberta (ex. reprodutibilidade científica e avaliação mais transparente).

Neste sentido, o OpenAIRE incorpora metadados de todos os produtos científicos, desde que respeitem o modelo e a semântica expressos na diretrizes OpenAIRE. Por outras palavras, significa que, quer o recurso se apresente em acesso aberto ou não, este será recolhido, assim como serão feitas ligações (links) para outros produtos, sempre que possível (caso existam os Identificadores Únicos Persistentes – PID). O mesmo processo é aplicado aos conjuntos de dados (datasets) que possam conter ligações a outros recursos, estes não são integrados no OpenAIRE mas sim identificados (link) e redirecionados para a fonte original, onde estão depositados.

O OpenAIRE também coleta texto integral dos repositórios em acesso aberto, sempre que este se apresente acessível – via URL do registo de metadados. Esta informação é utilizada para o processo de text and data mining, com vista ao enriquecimento dos registos. Assim, o utilizador final poderá pesquisar e aceder à informação a partir do portal OpenAIRE, e para descarregar o ficheiro será reencaminhado para a fonte original do registo. Poderá saber mais sobre a utilização do texto integral aqui.

Outras informações adicionais veja aqui.


Autor: Paula Moura

Projetos Open Access | Universidade do Minho - Serviços de Documentação

By 28 de Janeiro de 2019 Read More →
10ª ConfOA: inscrições abertas

10ª ConfOA: inscrições abertas

Encontram-se abertas as inscrições para a 10ª Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta que em 2019 viaja até à Amazónia.

Este ano, a ConfOA é acolhida conjuntamente pela Universidade Federal do Amazonas, a Universidade do Estado do Amazonas e o Instituto Federal do Amazonas. A 10ª ConfOA decorrerá em Manaus, de 1 a 4 de outubro, com abertura e um pré-workshop no dia 1, o programa principal da conferência nos dias 2 e 3, e workshops pós-conferência previstos para 4 de outubro.

Mantendo o tema das duas ConfOA anteriores “Do Acesso Aberto à Ciência Aberta”, a 10ª ConfOA, assume a mudança de designação para Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta,  consagrando o alargamento do seu âmbito. A ConfOA pretende reunir as comunidades portuguesa, brasileira, bem como dos restantes países lusófonos, que desenvolvem atividades de investigação, desenvolvimento, gestão de serviços e definição de políticas relacionadas com a ciência aberta, em todas as suas dimensões, como o acesso aberto a publicações e a dados de investigação. A ConfOA assume-se como o espaço privilegiado para promover a partilha, discussão e divulgação de conhecimentos, práticas e investigação sobre estas temáticas, em todas as suas vertentes e perspetivas.

As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas em: https://confoa.rcaap.pt/2019/

Outras informações relativas à 10ª ConfOA estão ou estarão brevemente disponíveis aqui.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 21 de Janeiro de 2019 Read More →
10ª ConfOA: chamada de trabalhos

10ª ConfOA: chamada de trabalhos

A 10ª Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta (ConfOA) viaja até à Amazónia em 2019. Este ano, a ConfOA é acolhida conjuntamente pela Universidade Federal do Amazonas, a Universidade do Estado do Amazonas e o Instituto Federal do Amazonas. A 10ª ConfOA decorrerá em Manaus, de 1 a 4 de outubro, com abertura e um pré-workshop no dia 1, o programa principal da conferência nos dias 2 e 3, e workshops pós-conferência previstos para 4 de outubro.

Mantendo o tema das duas ConfOA anteriores “Do Acesso Aberto à Ciência Aberta”, a 10ª ConfOA, assume a mudança de designação para Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta,  consagrando o alargamento do seu âmbito. A ConfOA pretende reunir as comunidades portuguesa, brasileira, bem como dos restantes países lusófonos, que desenvolvem atividades de investigação, desenvolvimento, gestão de serviços e definição de políticas relacionadas com a ciência aberta, em todas as suas dimensões, como o acesso aberto a publicações e a dados de investigação. A ConfOA assume-se como o espaço privilegiado para promover a partilha, discussão e divulgação de conhecimentos, práticas e investigação sobre estas temáticas, em todas as suas vertentes e perspetivas.

Assim, convidamos a comunidade a apresentar propostas de trabalhos sobre os seguintes temas:

  • Acesso Aberto e Dados de Investigação Abertos: sistemas, políticas e práticas
    • Repositórios digitais – institucionais, temáticos, de dados de investigação ou de património cultural
    • Revistas científicas de acesso aberto e tendências na comunicação e divulgação científica
    • Publicação institucional em acesso aberto
    • Gestão e partilha de dados de investigação – princípios FAIR, planos de gestão dados e infraestruturas para a gestão de dados de investigação
    • Definição, análise e avaliação de políticas institucionais e de financiadores
    • Modelos e padrões de metadados
    • Preservação Digital
    • Direitos de autor e acesso aberto
  • Ciência Aberta e outras expressões de conhecimento aberto
    • Ética, Integridade da Investigação e RRI (Investigação e Inovação Responsáveis)
    • Modelos tradicionais e alternativos de avaliação da Ciência (bibliometria e métricas alternativas)
    • Ciência cidadã
    • Dados governamentais abertos
    • Outras práticas de conhecimento aberto (hardware e software livre, educação aberta)
  • Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • CRIS – Sistemas de Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • Interoperabilidade entre sistemas de informação de apoio à atividade científica e académica
    • Normas e diretrizes
    • Identificadores persistentes

Acolheremos propostas sobre estes temas, bem como outros temas relacionados com os aspetos políticos, sociais, organizativos ou técnicos relacionados com a ciência aberta.

https://confoa.rcaap.pt/2019/

Processo de apresentação de propostas

Comunicações (Apresentação oral de 15 minutos)

As propostas para comunicação devem ter um mínimo de 2 páginas e um máximo de 4 páginas (ver e utilizar o modelo de proposta de comunicação). As propostas devem apresentar investigação ou desenvolvimento originais, privilegiando-se os trabalhos que relatem casos gerais (ou seja relativos a mais do que uma instituição ou sistema) e/ou que tenham relevância para uma audiência alargada.

As propostas com qualidade e relevância que não possam ser aceites como comunicações, poderão ser consideradas para apresentação como Pecha Kucha ou Póster.

Pecha Kuchas

Os Pecha Kucha são apresentações de 7 minutos, com não mais de 24 slides. As propostas deverão ter um mínimo de 1 página e um máximo de 2 páginas (ver e utilizar o modelo de proposta de Pecha Kucha). As propostas de Pecha Kucha podem apresentar trabalhos de investigação e desenvolvimento recentes ou em conclusão, e eventualmente casos concretos e localizados, mas com interesse e relevância geral.

As propostas com qualidade e relevância que não possam ser aceites como Pecha Kucha poderão ser consideradas para apresentação como Póster.

Painéis

As propostas de painel deverão ter um mínimo de 1 página e um máximo de 2 páginas (ver e utilizar o modelo de proposta de painel). As sessões de painel devem versar sobre temas e assuntos (das tecnologias às políticas) que tenham potencial interesse para a maioria dos participantes na ConfOA. Os painéis devem incluir diversos participantes como apresentadores (e desejavelmente com diversidade de pontos de vista, contextos, etc.). O painel deve prever tempo para pequenas apresentações dos integrantes do painel, e tempo para discussão com a audiência. O tempo total do painel será de 90 minutos.

Pósteres

Convidamos a apresentação de propostas de pósteres, que devem ter 1 página (ver e utilizar o modelo de proposta de póster), que servem para apresentar trabalho ainda em desenvolvimento ou experiências locais. Os pósteres serão exibidos em formato papel ou formato digital (serão dadas indicações e instruções para a apresentação dos pósteres após a aceitação das propostas), e serão apresentados oralmente na sessão “O meu Póster num minuto”.

Workshops e Tutoriais

O último dia da ConfOA será dedicado à realização de workshops e tutoriais.
Convidamos a apresentação de propostas de workshops e tutoriais sobre aspetos práticos ou teóricos relacionados com os temas da conferência. Deve ser utilizado o modelo de proposta de workshop ou tutorial, e a proposta de tutorial deve contemplar os seguintes aspetos:

  • O assunto e que conhecimentos se pretende transmitir
  • A dimensão da sessão (90 minutos, 180 minutos, ou dia completo)
  • O público-alvo e o número desejado de participantes
  • Os resultados de aprendizagem para os participantes
  • Requisitos tecnológicos e de espaço

Processo de avaliação

Todas as propostas de comunicação e Pecha Kucha serão avaliadas por dois membros (um do Brasil e um de Portugal) da Comissão Científica e as propostas de Póster, Painel e Workshops serão avaliadas pela Comissão Organizadora.

Aproximando-se das práticas de revisão por pares aberta, crescentemente defendidas como prática de ciência aberta, a revisão na ConfOA deixará de ser duplamente cega, e a identidade dos autores e dos avaliadores de cada trabalho será dada a conhecer.

Datas importantes:

21 de janeiro 2019: Chamada de trabalhos e abertura das inscrições

01  de abril 2019: Fim do prazo para apresentação de propostas

03 de junho 2019: Notificação da aceitação das propostas

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 21 de Janeiro de 2019 Read More →
10º aniversário do Projeto RCAAP: briefing, apresentações e vídeos

10º aniversário do Projeto RCAAP: briefing, apresentações e vídeos

O Projeto RCAAP – Repositórios Científicos de Acesso Aberto de Portugal celebrou 10 anos de existência no passado dia 17 de dezembro, no auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra.

O evento, realizado em parceria entre a FCT/FCCN, a Universidade do Minho e a Universidade de Coimbra teve como objetivo reunir a Comunidade para partilhar e refletir sobre o passado, presente e futuro do projeto RCAAP.

Durante a manhã contou com a participação da Inspiring Keynote Natalia Manola – OpenAIRE Project Manager com uma apresentação subordinada ao tema “Open Science: building technical and social bridges in the era of the European Open Science Cloud”

A parte da tarde foi dedicada às Estórias com História do RCAAP, contadas pela Comunidade, e à Visão dos Utilizadores do Projeto, com a participação de Carlos Fiolhais (Universidade de Coimbra), João Nuno Ferreira (FCT/FCCN), Isabel Ferreira (Instituto Politécnico de Bragança), Pedro Morgado (Universidade do Minho) e Fernanda Olival (Universidade de Évora).

Seguiu-se uma sessão enquadrativa dedicada a quatro pontos fulcrais para o Projeto:

  1. ecossistema de publicação científica para a Ciência Aberta;
  2. inovação, abertura e sustentabilidade na comunicação científica;
  3. inovações (gestão de entidades; esquemas de metadados; processos de agregação, entre outros;
  4. materialização no RCAAP (monitorização da produção científica; obtenção de indicadores; desenvolvimento de novos serviços, entre outros)

O evento terminou com a entrega de quatro prémios de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelas Instituições de Ensino Superior nos diferentes subsistemas que integram o Projeto.

Em jeito de homenagem a um líder que dedicou grande parte da sua carreira profissional à disseminação do Acesso Aberto, foi entregue um quinto prémio, denominado de “Líder espiritual do Acesso Aberto” a Eloy Rodrigues, diretor dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho desde 2002.

+ informações em:

Veja ou reveja o vídeo alusivo aos 10 Anos de História do RCAAP contada pelos seus Protagonistas,disponível no canal Youtube do Projeto.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 20 de Dezembro de 2018 Read More →
Projeto RCAAP atribui prémios de reconhecimento no seu 10º aniversário

Projeto RCAAP atribui prémios de reconhecimento no seu 10º aniversário

No âmbito das comemorações do 10º Aniversário do Projeto RCAAP foram atribuídos quatro prémios de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelas Instituições de Ensino Superior, nos diferentes subsistemas:

Prémio 1 – Mr. / Miss Certinho/a 

Premeia as instituições com maior taxa de cumprimento do Depósito Legal

  • Foi considerado um fator de dimensão (+ de 300 registos no RENATES);
  • Critério de desempate pelo maior número de registos no RENATES.

Foi atribuído um prémio por subsistema de ensino de acordo com o seguinte cálculo:

Origem dos dados – base de dados RENATES;
Data de extração dos dados – 09/11/2018;
Cálculo com base nos seguintes indicadores:
A – Nº total de registos no RENATES por instituição (T&D);
B – Nº total de de registos no RENATES validados com HANDLE no RCAAP.
Taxa de cumprimento = B / A

Os vencedores foram:

Prémio 2 – Mr./Miss Repositório 

Premeia a instituição com melhor imagem de Repositório

  • Votação pela comunidade a partir de printscreens da home page dos repositórios realizada a 17 de outubro;
  • Votação entre 22 de outubro e 19 de novembro;
  • 1 voto por responsável de repositório;
  • Não foi permitido votar no próprio repositório;
  • Venceu o repositório com maior número de votos.

Dessa votação resultaram quatro finalistas (RIA, Estudo Geral, UTAD, UBibliorum), sendo que o vencedor foi o Estudo Geral – Repositório Institucional da Universidade de Coimbra.

Prémio 3 – Eternidade 

Premeia a instituição com melhor score na auditoria final à norma ISO 16363 que analisa a confiança dos repositórios digitais, nomeadamente na capacidade de gerir e preservar o seu conteúdo a longo termo.

  • Considera os repositórios SARI envolvidos na auditoria (25) por uma entidade externa a janeiro e fevereiro 2015 que analisou as 3 áreas da norma (Gestão do Serviço, Gestão dos Objetos, Infraestrutura e Segurança).

Os Vencedores foram o Instituto Politécnico de Castelo Branco e a Universidade do Algarve.

Prémio 4 – Exportador de Ciência

Premeia as instituições com maior número de downloads a partir de origens externas

  • Os valores apurados foram obtidos a partir do módulo de estatísticas dos repositórios que disponibilizam essa informação de forma pública e dizem respeito ao período entre novembro de 2017 a outubro 2018.
  • Foi considerado um fator de dimensão com base nos seguintes valores:
    • 3.000 registos depositados para instituições de ensino superior público ou privado com repositórios próprios ou SARI;
    • 1.000 registos depositados para instituições de I&D e Hospitalares;
    • 500 registos depositados para instituições do Repositório Comum;
  • Critério de desempate pelo maior número de depósitos.

Foi atribuído um prémio por subsistema de ensino mais um prémio para a categoria Hospitais e Institutos de I&D, de acordo com o seguinte cálculo:

  • Origem dos dados – Módulo de estatísticas disponibilizado pelos Repositórios (para os que disponibilizam esta informação);
  • Data de extração dos dados – 15/11/2018;
  • Cálculo com base nos seguintes indicadores:
      • A – Nº de documentos depositados-;
        B – Nº de dw em PT;
        C – Nº de dw de origem desconhecida;
        D – Nº de dw não PT = A – B – C.

Maior Exportador de Ciência = Valor absoluto de D

Os Vencedores foram:

Em jeito de homenagem a um líder que dedicou grande parte da sua carreira profissional à disseminação do Acesso Aberto, foi entregue um quinto prémio, denominado de: Líder espiritual do Acesso Aberto 

Premeia Eloy Rodrigues, diretor dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho desde 2002. Em 2003, liderou a criação do RepositoriUM.

Desde julho de 2008 lidera a equipa da Universidade do Minho que operacionaliza, em parceria com a FCT|UCCN, o RCAAP.

Ao nível europeu, é membro do EUA Expert Group on Science 2.0/Open Science em representação do CRUP, e tem coordenado a participação da Universidade do Minho em mais de uma dezena de projetos financiados pela UE.

Em abril de 2015 foi eleito Presidente do Conselho Executivo da Confederation of Open Access Repositories (COAR) tendo sido reeleito em maio de 2018 para o mandato de 2018 a 2021.

Na última década participou em mais de meia centena de palestras, seminários e outras ações de divulgação ou formação sobre o Acesso Aberto e a Ciência Aberta na Europa , em África, na América, na Ásia (China e Japão) e na Oceânia (Austrália).

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 19 de Dezembro de 2018 Read More →
4.º Fórum de Gestão de Dados de Investigação

4.º Fórum de Gestão de Dados de Investigação

No dia 16 de novembro teve lugar o 4.º Fórum de Gestão de Dados de Investigação, na cidade de Castelo Branco, no Instituto Politécnico de Castelo Branco – Escola Superior de Tecnologia.

Este fórum assume-se como um espaço de debate e partilha de ideias, projetos, iniciativas emergentes e boas práticas na gestão de dados de investigação. É igualmente objetivo deste fórum capitalizar saberes e práticas, permitindo uma maior sensibilização e abertura do seu âmbito para as áreas das infraestruturas tecnológicas, de serviços e políticas associadas à GDI.

O momento da partilha de experiências (flashtalks), contou com duas abordagens distintas: uma pela pendente das infraestruturas para a GDI e outra, com especial enfoque para a área da formação e da capacitação dos profissionais, que direta ou indiretamente lidam com dados de investigação.

 

A sessão plenária deste ano contou com a presença da diretora da secção de Ciência de Dados do Instituto de Ciências Quantitativas da Universidade de Harvard, Mercè Crosas, que veio partilhar connosco a sua experiência, com a comunicação intitulada: “Research data management at Harvard, data sharing and dataverse project.

Na parte da tarde, em sessões paralelas, tivémos 2 workshops: o já habitual “Café com Dados”, desta vez com o foco na “… demonstração de ferramentas para o ciclo de vida dos dados”, discussão sobre Open Data e como tratar os Dados FAIR.

O outro workshop abordou a temática da “Proteção de dados e privacidade: questões legais na gestão de dados de investigação” e contou com a participação de:

Henrique Manuel Dinis Santos, Departamento de Sistemas de Informação da Universidade do Minho, e

Mercè Crosas, Instituto de Ciências Sociais Quantitativas da Universidade de Harvard

Todas as apresentações e gravações poderão ser vistas aqui.

No final deste dia ficou a sensação de dever cumprido, com resultados bastante positivos, de uma comunidade que está em franco crescimento, conforme se tem vindo a constatar, desde a criação deste Fórum. Outro momento alto foi o anúncio da criação do Nó Português da RDA e das repercussões positivas que poderá ter, para o contínuo afirmar da GDI em Portugal.

Na senda ficaram outras ideias, como a contínua dinamização desta comunidade ao longo do ano, através da criação de momentos de debate, conversas, sessões de esclarecimento, webinars, entre outras.

Vemo-nos em 2019!

Autor: Paula Moura

Projetos Open Access | Universidade do Minho - Serviços de Documentação

By 19 de Novembro de 2018 Read More →
Mais 1 ano de programa de mobilidade BAD

Mais 1 ano de programa de mobilidade BAD

Terminou mais um programa de mobilidade BAD – Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas subordinada ao tema “Projetos Open Access da Universidade do Minho: do RepositóriUM à infraestrutura Europeia do Acesso Aberto”.

Decorreu entre o dia de ontem e o de hoje, 08 de novembro, mais uma edição do programa de mobilidade BAD nos Serviços de Documentação da Universidade do Minho que desde 2014 tem vindo a receber colegas representantes de universidades nacionais. Este ano de 2018 os SDUM acolheram 7 participantes oriundos da Universidade de Coimbra, da CESPU, da Universidade Católica Portuguesa, do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa e da Universidade Federal de Minas Gerais.

O programa proposto teve como principal foco as atividades desenvolvidas pelo Gabinete de Projetos, que têm desenvolvido, ao longo dos últimos anos, um vasto trabalho na dinamização dos repositórios institucionais e no desenvolvimento do Acesso Aberto no panorama nacional e internacional.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 9 de Novembro de 2018 Read More →
Semana Internacional do Acesso Aberto de 22 a 28 de outubro

Semana Internacional do Acesso Aberto de 22 a 28 de outubro

Arranca hoje a Semana Internacional do Acesso Aberto, evento global com atividades à escala local, que tem como objetivo disseminar o Acesso Livre ao Conhecimento, com o lema: Designing Equitable Foundations for Open Knowledge.

Esta iniciativa teve início em 2007 com um “dia do acesso livre” e desde 2009 que tem vindo a crescer tendo sido prolongada e transformada em “Semana do Acesso Aberto”.

Como tem sido habitual, trata-se de um evento promovido pelo SPARC (Scholarly Publishing and Academic Resources Coalition). Toda a informação relacionada com a atividade internacional está disponível em www.openaccessweek.org.

A adesão do Projeto RCAAP a esta iniciativa ocorre no âmbito das suas atividades de comunicação. Tem como propósito reunir sinergias para fazer desta semana, um evento significativo a nível nacional, com impacto no meio científico e académico e, deste modo, reforçar a importância dos repositórios institucionais e, em consequência, promover o Acesso Aberto em Portugal.

Recomendamos que todas as Instituições / Revistas nos façam chegar, em diferentes formatos, todas as atividades que pretendem realizar neste âmbito.

Convidamos cada um de vós a consultar o website, a reutilizar os materiais promocionais e a consultar e aplicar o kit de apoio à divulgação da OAW, ferramentas produzidas no âmbito do grupo de trabalho de divulgação do projeto RCAAP.

As iniciativas individuais ou coletivas são importantes!

Saibam +  em:

http://www.acessolivre.pt/semana/

https://www.facebook.com/rcaap

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 22 de Outubro de 2018 Read More →
“Plan S” – Plano para acelerar a transição para o Acesso Aberto

“Plan S” – Plano para acelerar a transição para o Acesso Aberto

O Plan S, uma iniciativa para a publicação em Acesso Aberto, lançanda em setembro de 2018, suportado pelo cOAlition S, um consórcio internancional de financiadores de investigação, requer que, a partir de 2020, todas as publicações científicas resultantes de investigação financiada por fundos públicos sejam publicadas em Acesso Aberto.

Este plano representa um importante passo para um ambiente aberto e transparente para a investigação, onde todos os tipos de investigação podem ser abertamente acedidos, ligados, enriquecidos e arquivados.

Tornar uma realidade o Acesso Aberto pleno e imediato às publicações científicas

Apesar das políticas já existentes para a publicação em Acesso Aberto dos resultados de investigação com financiamento público (FCT, CE), esta iniciativa irá acelerar a transição para o Acesso Aberto e Ciência Aberta, com o objetivo de tornar toda a investigação resultante de financiamento público disponível em Acesso Aberto.

Plan S é constituído por um princípio basilar e 10 princípios adicionais que apresentam orientações para a sua implementação.

Os membros do cOAlition S assumem o compromisso de implementar, até 1 de janeiro de 2020, as medidas necessárias para a cumprir o princípio fundamental:

Até 2020 as publicações científicas que resultem de investigação financiada por fundos públicos de conselhos de investigação nacionais e europeus, devem ser publicadas em Acesso Aberto.

After 1 January 2020 scientific publications on the results from research funded by public grants provided by national and European research councils and funding bodies, must be published in compliant Open Access Journals or on compliant Open Access Platforms.

10 Princípios

De seguida é apresentado o resumo dos 10 princípios que orientam a implementação do Plan S, podendo ser consultados na íntegra em www.coalition-s.org/10-principles.

  1. Os autores retêm o copyright das suas publicações sem restrições;
  2. As entidades financiadoras irão estabelecer critérios sobre as características a que as revistas e plataformas em Acesso Aberto devem obedecer;
  3. As entidades financiadoras irão disponibilizar suporte para a identificação das revistas e plataformas de publicação mais adequadas;
  4. Quando aplicável, as taxas de publicação em Acesso Aberto são asseguradas pelos financiadores ou universidades, não pelos investigadores;
  5. Quando as taxas de publicação em Acesso Aberto são aplicadas, o seu financiamento é padronizado e limitado;
  6. As entidades financiadoras solicitarão às universidades, organizações de investigação e bibliotecas que alinhem a suas políticas e estratégias, principalmente para garantir a transparência;
  7. Estes princípios são aplicados a todos os tipos de publicações científicas, no entanto o Acesso Aberto para monografias e livros pode ir além de 1 de janeiro de 2020;
  8. É reconhecida a importância dos repositórios de publicações em Acesso Aberto, tendo em conta a sua função de arquivo a longo prazo e o seu potencial de inovação editorial;
  9. O modelo “híbrido” de publicação não é compatível com os princípios acima;
  10. As entidades financiadoras irão monitorizar o cumprimento da publicação em Acesso Aberto.

Saiba como implementar este plano em:
Guidance on the Implementation of Plan S

Fique a conhecer algumas das posições sobre o Plan S por parte de organizações nacionais e internacionais:

Autor: André Vieira

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 10 de Setembro de 2018 Read More →
Acesso e preservação de informação científica na Europa

Acesso e preservação de informação científica na Europa

Relatório de implementação da Recomendação Europeia C(2012) 4890

Este relatório apresenta as informações reunidas junto dos estados membros, no que diz respeito ao processo de implementação da Recomendação de 2012, sobre o Acesso Aberto e a Preservação da Informação Científica.

O documento foi elaborado com base num questionário, requerido aos estados membros, para que se manifestassem e avaliassem esta recomendação, enquanto instrumento de relevância para a promoção das políticas de Acesso Aberto e para a Preservação da Informação Científica na União Europeia.

De acordo com os resultados obtidos, pode constatar-se que a maior parte dos países se encontram ou em fase de discussão, ou em fase de implementação das políticas de Acesso Aberto a publicações, demonstrando, no entanto, alguma evolução relativamente a períodos anteriores de avaliação.

Os níveis de progresso observados notam-se mais especificamente no que toca à gestão de dados de investigação e às políticas FAIR (Findable, Accessible, Interoperable, Reusable), por parte dos estados membros, dos financiadores e demais instituições, onde se destaca a criação e desenvolvimento de infraestruturas digitais, com o intuito de prestar apoio no acesso e preservação da informação científica. Neste contexto, um grande número de países participa em iniciativas financiadas pela UE, com o intuito de se alinharem com as normas internacionais de tratamento e interoperabilidade. Outras áreas carecem de mais trabalho e investigação, como é o caso dos direitos de autor, por forma a defender os direitos associados à investigação e aos seus protagonistas (investigadores), assim como de todo o processo de monitorização associado ao Acesso Aberto e à Preservação da Informação Científica.

Contudo, num 1/3 dos países, as organizações de financiamento público ainda não têm políticas de Acesso Aberto, espelhando as várias velocidades em curso, quer no processo de implementação, quer nas políticas de gestão de dados de investigação. A opinião geral dos entrevistados é de que deveria existir uma maior coordenação da implementação destas políticas, para assegurar um eficaz alinhamento de uma estratégia que deverá ser comum a todos.

Gráfico ilustrativo da implementação das politicas de Acesso Aberto | fonte: https://publications.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/676f8a3b-62f6-11e8-ab9c-01aa75ed71a1

Em muito dos países, as políticas de gestão de dados já estão a ser aplicadas a um nível institucional, mesmo que a política nacional ainda não esteja em curso.

A gestão de dados de investigação e o Acesso Aberto aos dados ainda não são, por isso, uma política mandatória, sendo apenas aplicável aos projetos financiados pela UE, onde os investigadores ainda assim, podem optar por colocá-los em aceso aberto ou não.

A maioria dos países revela uma intenção clara na implementação destas práticas, estando a desenvolver estratégias de atuação, como por exemplo,  na integração dos sistemas de avaliação da carreira docente, na área da educação e no desenvolvimento de competências.

Cerca de 2/3 dos países revelam já ter programas de formação avançados, para capacitar profissionais nas áreas da gestão de dados de investigação (GDI). No entanto, apenas metade faz monitorização do desenvolvimento / produção de dados de investigação e do impacto do Acesso Aberto. Assim podemos dar conta de alguns projetos piloto para monitorizar o Acesso Aberto, uma vez que é muito importante o processo de negociação com as grandes editoras, dado o crescente esforço colaborativo, demonstrado pela maior parte dos países, na assinatura de periódicos e no processo de interoperabilidade das infraestruturas digitais, no contexto nacional e transnacional.

Autor: Paula Moura

Projetos Open Access | Universidade do Minho - Serviços de Documentação

By 12 de Julho de 2018 Read More →
Adiado prazo de submissão de trabalhos para a ConfOA 2018

Adiado prazo de submissão de trabalhos para a ConfOA 2018

Foi prorrogado até ao próximo dia 22 de abril de 2018 o prazo de submissão dos trabalhos para a a 9ª Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto (ConfOA), que este ano se irá realizar nos dias 2 e 3 de outubro (com workshops pós-conferência previstos para 4 de outubro), no campus do ISCTE-IUL, em Lisboa.

Assim, convidamos a comunidade a apresentar propostas de trabalhos sobre os seguintes temas:

  • Acesso Aberto e Dados de Investigação Abertos: sistemas, políticas e práticas
    • Repositórios digitais – institucionais, temáticos, de dados de investigação ou de património cultural
    • Revistas científicas de Acesso Aberto e tendências na comunicação e divulgação científicaconferência
    • Publicação institucional em Acesso Aberto
    • Definição, análise e avaliação de políticas institucionais e de financiadores
    • Modelos e padrões de metadados
    • Preservação Digital
    • Direitos de autor e Acesso Aberto
  • Ciência Aberta e outras expressões de conhecimento aberto
    • Ética, Integridade da Investigação e RRI (Responsible Research and Innovation /Investigação e Inovação Responsáveis)
    • Modelos tradicionais e alternativos de avaliação da Ciência (bibliometria e métricas alternativas)
    • Ciência cidadã
    • Dados governamentais abertos
    • Desenvolvimento e comunidades de software livre para a promoção do Acesso Aberto e da Ciência Aberta
    • Outras práticas de conhecimento aberto (educação aberta)
  • Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • CRIS – Sistemas de Gestão de informação de Ciência e Tecnologia
    • Interoperabilidade entre sistemas de informação de apoio à atividade científica e académica
    • Normas e diretrizes
    • Identificadores persistentes

 

Acolheremos propostas sobre estes temas, bem como outros temas relacionados com os aspetos políticos, sociais, organizativos ou técnicos relacionados com o Acesso Aberto e a Ciência Aberta.

O processo de apresentação e modelos das propostas estão disponíveis para consulta e download no website da ConfOA.

Aguardamos pela submissão dos vossos trabalhos: http://confoa.rcaap.pt/2018/submissoes-on-line/

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 3 de Abril de 2018 Read More →