By 31 de Outubro de 2013 Read More →

Anotar em conformidade – Open Annotation

Baseado num conceito antigo, o conceito de anotação tem ganho vários adeptos e são já muitas as iniciativas no contexto digital que recorrem a esse processo. Basicamente, a anotação é um processo que permite adicionar mais informação a um recurso ou objeto.

A maior parte dos utilizadores já conhecem esse processo através das funcionalidades dos editores de texto, tipo MS Word, com a possibilidade de comentar os conteúdos. Esse conceito alarga-se a outras ferramentas como leitores de PDF por exemplo, para citar apenas os mais comuns.

No contexto web, são várias as iniciativas que permitem desenvolver a anotação, como por exemplo o Diigo, o Web Notes, o Marker, o Speakingimage ou até o Youtube, através dos comentários incluídos nos vídeos e muitas vezes usados para fins promocionais. Por exemplo, num contexto mais relacionado com a produção científica, o Mendeley possui já incluída esta característica (http://www.mendeley.com/features/read-and-annotate & http://blog.mendeley.com/tipstricks/how-to-series-how-to-export-your-annotations-alone-or-with-your-pdf-part-8-of-12).

A iniciativa Open Annotation tem trabalhado recentemente na especificação “Open Annotation Core Data Model”  que define um framework de interoperabilidade na criação de associações entre recursos e anotações, utilizando uma metodologia compatível com a arquitetura da internet. Esta especificação adequa-se a diversos contextos de utilização, como comentar uma página web com outra página web, anotar uma imagem com uma nota, comentar vídeos ou partes de vídeos, anotar mapas, anotar vários objetos em simultâneo, etc… (ver mais em: http://www.w3.org/community/openannotation/wiki/Cookbook).

Com base nesta iniciativa, surge o projeto Hypothes.is, que pretende ser uma plataforma aberta para a avaliação colaborativa do conhecimento. Combina a possibilidade de se anotar até ao nível da frase, permitindo uma revisão colaborativa a referências, notícias, blogs, artigos científicos, livros, legislação, regulamentos, código de software, etc.

Consulte os 12 princípios inerentes a este projeto: http://hypothes.is/principles.

A definição da especificação e o conjunto de iniciativas em curso para o processo de anotação permitirão começar a delinear algum trabalho na área dos sistemas de informação para a ciência, nomeadamente na inclusão de processos de peer-review abertos a toda a comunidade, a possibilidade de obtenção de mais métricas alternativas sobre o conteúdo científico, o enriquecimento substancial do conteúdo e a promoção de ligações a conteúdos relacionados, tendo como base a perceção da comunidade de utilizadores.

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

Comments are closed.