SOBRE OS PROJETOS

Cadernos BAD disponibiliza atas da 9ª ConfOA

Cadernos BAD disponibiliza atas da 9ª ConfOA

Foi publicado o número dos Cadernos BAD (nº1, 2018) o qual disponibiliza quase todos as comunicações e pechas kuchas apresentados na 9ª Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto (ConfOA) realizada nos dias 2, 3 e 4 de outubro de 2018, no ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, em jeito de encerramento dos trabalhos relativos à ConfOA 2018.

Como descrito no editorial deste número, os trabalhos que aqui se publicam “abrangendo um largo espectro temático, que vai desde a gestão de dados científicos, até à publicação de revistas científicas ou as políticas de Acesso Aberto, passando pelas questões dos direitos de autor, da bibliometria, da interoperabilidade e dos sistemas de gestão de informação científica“.

Encontramo-nos em Manaus – Amazonas no Brasil, de 1 a 4 de outubro, para a ConfOA 2019.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 14 de Janeiro de 2019 Read More →
10º aniversário do Projeto RCAAP: briefing, apresentações e vídeos

10º aniversário do Projeto RCAAP: briefing, apresentações e vídeos

O Projeto RCAAP – Repositórios Científicos de Acesso Aberto de Portugal celebrou 10 anos de existência no passado dia 17 de dezembro, no auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra.

O evento, realizado em parceria entre a FCT/FCCN, a Universidade do Minho e a Universidade de Coimbra teve como objetivo reunir a Comunidade para partilhar e refletir sobre o passado, presente e futuro do projeto RCAAP.

Durante a manhã contou com a participação da Inspiring Keynote Natalia Manola – OpenAIRE Project Manager com uma apresentação subordinada ao tema “Open Science: building technical and social bridges in the era of the European Open Science Cloud”

A parte da tarde foi dedicada às Estórias com História do RCAAP, contadas pela Comunidade, e à Visão dos Utilizadores do Projeto, com a participação de Carlos Fiolhais (Universidade de Coimbra), João Nuno Ferreira (FCT/FCCN), Isabel Ferreira (Instituto Politécnico de Bragança), Pedro Morgado (Universidade do Minho) e Fernanda Olival (Universidade de Évora).

Seguiu-se uma sessão enquadrativa dedicada a quatro pontos fulcrais para o Projeto:

  1. ecossistema de publicação científica para a Ciência Aberta;
  2. inovação, abertura e sustentabilidade na comunicação científica;
  3. inovações (gestão de entidades; esquemas de metadados; processos de agregação, entre outros;
  4. materialização no RCAAP (monitorização da produção científica; obtenção de indicadores; desenvolvimento de novos serviços, entre outros)

O evento terminou com a entrega de quatro prémios de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelas Instituições de Ensino Superior nos diferentes subsistemas que integram o Projeto.

Em jeito de homenagem a um líder que dedicou grande parte da sua carreira profissional à disseminação do Acesso Aberto, foi entregue um quinto prémio, denominado de “Líder espiritual do Acesso Aberto” a Eloy Rodrigues, diretor dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho desde 2002.

+ informações em:

Veja ou reveja o vídeo alusivo aos 10 Anos de História do RCAAP contada pelos seus Protagonistas,disponível no canal Youtube do Projeto.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 20 de Dezembro de 2018 Read More →
Projeto RCAAP atribui prémios de reconhecimento no seu 10º aniversário

Projeto RCAAP atribui prémios de reconhecimento no seu 10º aniversário

No âmbito das comemorações do 10º Aniversário do Projeto RCAAP foram atribuídos quatro prémios de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelas Instituições de Ensino Superior, nos diferentes subsistemas:

Prémio 1 – Mr. / Miss Certinho/a 

Premeia as instituições com maior taxa de cumprimento do Depósito Legal

  • Foi considerado um fator de dimensão (+ de 300 registos no RENATES);
  • Critério de desempate pelo maior número de registos no RENATES.

Foi atribuído um prémio por subsistema de ensino de acordo com o seguinte cálculo:

Origem dos dados – base de dados RENATES;
Data de extração dos dados – 09/11/2018;
Cálculo com base nos seguintes indicadores:
A – Nº total de registos no RENATES por instituição (T&D);
B – Nº total de de registos no RENATES validados com HANDLE no RCAAP.
Taxa de cumprimento = B / A

Os vencedores foram:

Prémio 2 – Mr./Miss Repositório 

Premeia a instituição com melhor imagem de Repositório

  • Votação pela comunidade a partir de printscreens da home page dos repositórios realizada a 17 de outubro;
  • Votação entre 22 de outubro e 19 de novembro;
  • 1 voto por responsável de repositório;
  • Não foi permitido votar no próprio repositório;
  • Venceu o repositório com maior número de votos.

Dessa votação resultaram quatro finalistas (RIA, Estudo Geral, UTAD, UBibliorum), sendo que o vencedor foi o Estudo Geral – Repositório Institucional da Universidade de Coimbra.

Prémio 3 – Eternidade 

Premeia a instituição com melhor score na auditoria final à norma ISO 16363 que analisa a confiança dos repositórios digitais, nomeadamente na capacidade de gerir e preservar o seu conteúdo a longo termo.

  • Considera os repositórios SARI envolvidos na auditoria (25) por uma entidade externa a janeiro e fevereiro 2015 que analisou as 3 áreas da norma (Gestão do Serviço, Gestão dos Objetos, Infraestrutura e Segurança).

Os Vencedores foram o Instituto Politécnico de Castelo Branco e a Universidade do Algarve.

Prémio 4 – Exportador de Ciência

Premeia as instituições com maior número de downloads a partir de origens externas

  • Os valores apurados foram obtidos a partir do módulo de estatísticas dos repositórios que disponibilizam essa informação de forma pública e dizem respeito ao período entre novembro de 2017 a outubro 2018.
  • Foi considerado um fator de dimensão com base nos seguintes valores:
    • 3.000 registos depositados para instituições de ensino superior público ou privado com repositórios próprios ou SARI;
    • 1.000 registos depositados para instituições de I&D e Hospitalares;
    • 500 registos depositados para instituições do Repositório Comum;
  • Critério de desempate pelo maior número de depósitos.

Foi atribuído um prémio por subsistema de ensino mais um prémio para a categoria Hospitais e Institutos de I&D, de acordo com o seguinte cálculo:

  • Origem dos dados – Módulo de estatísticas disponibilizado pelos Repositórios (para os que disponibilizam esta informação);
  • Data de extração dos dados – 15/11/2018;
  • Cálculo com base nos seguintes indicadores:
      • A – Nº de documentos depositados-;
        B – Nº de dw em PT;
        C – Nº de dw de origem desconhecida;
        D – Nº de dw não PT = A – B – C.

Maior Exportador de Ciência = Valor absoluto de D

Os Vencedores foram:

Em jeito de homenagem a um líder que dedicou grande parte da sua carreira profissional à disseminação do Acesso Aberto, foi entregue um quinto prémio, denominado de: Líder espiritual do Acesso Aberto 

Premeia Eloy Rodrigues, diretor dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho desde 2002. Em 2003, liderou a criação do RepositoriUM.

Desde julho de 2008 lidera a equipa da Universidade do Minho que operacionaliza, em parceria com a FCT|UCCN, o RCAAP.

Ao nível europeu, é membro do EUA Expert Group on Science 2.0/Open Science em representação do CRUP, e tem coordenado a participação da Universidade do Minho em mais de uma dezena de projetos financiados pela UE.

Em abril de 2015 foi eleito Presidente do Conselho Executivo da Confederation of Open Access Repositories (COAR) tendo sido reeleito em maio de 2018 para o mandato de 2018 a 2021.

Na última década participou em mais de meia centena de palestras, seminários e outras ações de divulgação ou formação sobre o Acesso Aberto e a Ciência Aberta na Europa , em África, na América, na Ásia (China e Japão) e na Oceânia (Austrália).

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 19 de Dezembro de 2018 Read More →
Lançamento do Manual de Formação em Ciência Aberta

Lançamento do Manual de Formação em Ciência Aberta

Como prenda de Natal antecipada, vimos anunciar o lançamento do Manual de Formação em Ciência Aberta, desenvolvido no âmbito do projeto FOSTERPlus.

O Manual de Formação em Ciência Aberta pretende apoiar todos aqueles que pretendam organizar e acolher ações de formação mais eficazes, participadas e interativas, e assim promover a adoção de práticas de investigação abertas.

Foi inicialmente escrito por 14 autores num booksprint em Hannover, em fevereiro de 2018, e posteriormente traduzido para Português por 23 tradutores. Encontra-se agora disponível via Gitbook e em formato mobi.

O Manual está estruturado em 3 secções principais. Na primeira, Introdução à Ciência Aberta, pode encontrar a explicação dos principais temas da Ciência Aberta: Dados e Materiais de Investigação Abertos; Software Aberto Usado na Investigação e Software de Código Aberto; Investigação Reprodutível e Análise de Dados; Acesso Aberto a Publicações, etc.

No capítulo Sobre Aprendizagem e Formação encontrará uma visão geral das teorias pedagógicas, estratégias de formação e orientação prática na elaboração de um curso e, nos Aspetos organizativos, checklists e orientação prática para a organização de workshops e outros eventos formativos.

Finalmente na secção Exemplos e Orientação Prática, poderá encontrar exercícios práticos para incorporar nos seus eventos de formação. Este Manual está em constante evolução, pelo que poderá sugerir novos exercícios usando o seguinte formulário.

O Manual de Formação em Ciência Aberta é disponibilizado com a Licença CC 0 para facilitar a reutilização. Não deixe de consultar este importante recurso!

Autor: Antónia Correia

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 14 de Dezembro de 2018 Read More →
Lançamento do FOSTER Open Science Toolkit

Lançamento do FOSTER Open Science Toolkit

E com grande satisfação que anunciamos o lançamento do Open Science Toolkit, desenvolvido no âmbito do projeto FOSTER Plus!

O Open Science Toolkit pretende responder a algumas das perguntas mais comuns sobre como colocar a ciência aberta em prática e inclui casos práticos em três áreas disciplinares: Ciências da Vida, Ciências Sociais e Humanidades.

Assentando numa estrutura leve, em termos de visualização e de economia de esforço, os cursos foram concebidos para requerer apenas uma a duas horas de estudo/trabalho. Os utilizadores registados no portal poderão obter “medalhas” (badges) após realização com sucesso do questionário no final de cada um dos cursos.

Os seguintes 10 cursos integram o Toolkit:

  • What is Open Science? curso introdutório que explica em que consiste a Ciência Aberta.
  • Best Practice in Open Research – apresenta algumas etapas para a abertura das práticas de investigação, e como cumprir as expectativas das entidades financiadoras, editores e colegas.
  • Managing and Sharing Research Data – explica como elaborar um plano de gestão de dados, gerir e proceder à disponibilização de dados da forma mais eficaz.
  • Open Source Software and Workflows – descreve como pode tornar o seu código e fluxos de trabalho acessíveis de modo a suportar a reprodutibilidade, fazendo uso de ferramentas e recursos gratuitos.
  • Data Protection and Ethics – permite entender os princípios básicos da proteção de dados e apresenta técnicas para desenvolver formulários de consentimento, armazenar os dados com segurança, e anonimizá-los.
  • Open Licensing – fornece critérios para encontrar a melhor licença aberta para os seus resultados de investigação.
  • Open Access Publishing – enumera técnicas e instrumentos para colocar as suas publicações acessíveis, em linha com as exigências das entidades financiadoras.
  • Sharing Preprints – explora a prática de disponibilização de preprints, e em que medida ela pode auxiliar a disseminar a sua investigação.
  • Open Peer Review – explica como funciona a revisão por pares aberta, potenciais vantagens e desvantagens desta prática e apresenta algumas plataformas onde pode disponibilizar as suas publicações ou realizar revisões.
  • Open Science and Innovation –faz a ponte entre praticas e conceitos empresariais, Ciência Aberta e Inovação e Investigação Responsável.

Experimente o Open Science Toolkit e expanda os seus conhecimentos em Ciência Aberta!

Autor: Antónia Correia

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 30 de Novembro de 2018 Read More →

ÚLTIMOS RECURSOS

Acesso e preservação de informação científica na Europa

Acesso e preservação de informação científica na Europa

Relatório de implementação da Recomendação Europeia C(2012) 4890

Este relatório apresenta as informações reunidas junto dos estados membros, no que diz respeito ao processo de implementação da Recomendação de 2012, sobre o Acesso Aberto e a Preservação da Informação Científica.

O documento foi elaborado com base num questionário, requerido aos estados membros, para que se manifestassem e avaliassem esta recomendação, enquanto instrumento de relevância para a promoção das políticas de Acesso Aberto e para a Preservação da Informação Científica na União Europeia.

De acordo com os resultados obtidos, pode constatar-se que a maior parte dos países se encontram ou em fase de discussão, ou em fase de implementação das políticas de Acesso Aberto a publicações, demonstrando, no entanto, alguma evolução relativamente a períodos anteriores de avaliação.

Os níveis de progresso observados notam-se mais especificamente no que toca à gestão de dados de investigação e às políticas FAIR (Findable, Accessible, Interoperable, Reusable), por parte dos estados membros, dos financiadores e demais instituições, onde se destaca a criação e desenvolvimento de infraestruturas digitais, com o intuito de prestar apoio no acesso e preservação da informação científica. Neste contexto, um grande número de países participa em iniciativas financiadas pela UE, com o intuito de se alinharem com as normas internacionais de tratamento e interoperabilidade. Outras áreas carecem de mais trabalho e investigação, como é o caso dos direitos de autor, por forma a defender os direitos associados à investigação e aos seus protagonistas (investigadores), assim como de todo o processo de monitorização associado ao Acesso Aberto e à Preservação da Informação Científica.

Contudo, num 1/3 dos países, as organizações de financiamento público ainda não têm políticas de Acesso Aberto, espelhando as várias velocidades em curso, quer no processo de implementação, quer nas políticas de gestão de dados de investigação. A opinião geral dos entrevistados é de que deveria existir uma maior coordenação da implementação destas políticas, para assegurar um eficaz alinhamento de uma estratégia que deverá ser comum a todos.

Gráfico ilustrativo da implementação das politicas de Acesso Aberto | fonte: https://publications.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/676f8a3b-62f6-11e8-ab9c-01aa75ed71a1

Em muito dos países, as políticas de gestão de dados já estão a ser aplicadas a um nível institucional, mesmo que a política nacional ainda não esteja em curso.

A gestão de dados de investigação e o Acesso Aberto aos dados ainda não são, por isso, uma política mandatória, sendo apenas aplicável aos projetos financiados pela UE, onde os investigadores ainda assim, podem optar por colocá-los em aceso aberto ou não.

A maioria dos países revela uma intenção clara na implementação destas práticas, estando a desenvolver estratégias de atuação, como por exemplo,  na integração dos sistemas de avaliação da carreira docente, na área da educação e no desenvolvimento de competências.

Cerca de 2/3 dos países revelam já ter programas de formação avançados, para capacitar profissionais nas áreas da gestão de dados de investigação (GDI). No entanto, apenas metade faz monitorização do desenvolvimento / produção de dados de investigação e do impacto do Acesso Aberto. Assim podemos dar conta de alguns projetos piloto para monitorizar o Acesso Aberto, uma vez que é muito importante o processo de negociação com as grandes editoras, dado o crescente esforço colaborativo, demonstrado pela maior parte dos países, na assinatura de periódicos e no processo de interoperabilidade das infraestruturas digitais, no contexto nacional e transnacional.

Autor: Paula Moura

Projetos Open Access | Universidade do Minho - Serviços de Documentação

By 12 de Julho de 2018 Read More →
Conteúdos Webinar – Serviços OpenAIRE para gestores de repositórios

Conteúdos Webinar – Serviços OpenAIRE para gestores de repositórios

O projeto OpenAIRE no âmbito da sua atividade, está a desenvolcver, entre outros, serviços para gestores de repositórios, nomeadamente o OpenAIRE-Provide. Este é um serviço que disponibiliza, para além do registo e validação de repositórios institucionais, de publicações, de dados ou sistemas agregadores ou de revistas, o Broker Service, que permitirá o enriquecimento e curadoria de metadados dos Repositórios.

Para apresentar este serviço OpenAIRE para gestores de repositórios, foi conduzido um Webinar por Pedro Príncipe e José Carvalho da Universidade do Minho, que tem como objetivo a apresentação do Content Provider Dashboard, sendo focados os seguintes assuntos:

  • Novos serviços OpenAIRE para Gestores de Repositórios (versão beta):
    • OpenAIRE Broker Service
    • OpenAIRE Dashboard for Content Providers
  • Enriquecimento e curadoria de metadados nos repositórios da rede RCAAP
  • Infraestrutura OpenAIRE e próximos desenvolvimentos

Poderá ver e rever os conteúdos deste Webinar nas seguintes ligações:

Fique ainda a par de outros Webinars OpenAIRE em: https://goo.gl/nmi5CL

Autor: André Vieira

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 25 de Maio de 2018 Read More →
Conteúdos Webinar – Dados Abertos e Planos de Gestão de Dados no H2020

Conteúdos Webinar – Dados Abertos e Planos de Gestão de Dados no H2020

A Comissão Europeia (CE), no quadro das políticas de Ciência Aberta, definiu para o programa Horizonte 2020 (H2020) uma política de dados abertos que visa melhorar e maximizar o acesso e a reutilização dos dados de investigação gerados pelos projetos que financia. Os requisitos da CE estabelecem que os investigadores devem realizar o depósito dos dados de investigação, incluindo metadados associados, necessários para validar os resultados apresentados em publicações científicas. Sublinham ainda a necessidade de definição de planos para a gestão dos dados produzidos que devem ser apresentados nos primeiros seis meses do projeto.

Neste contexto foi desenvolvido um Webinar para dar a conhecer os requisitos e condições dos dados abertos no H2020 e instruções sobre quando e como elaborar um Plano de Gestão de Dados para um projeto H2020.

Este Webinar, conduzido por Pedro Príncipe e Antónia Correia da Universidade do Minho, abordou os seguintes assuntos:

  • Ciência Aberta aos resultados e nos métodos.
  • Requisitos dos dados abertos no Horizonte 2020.
  • Elaboração de Plano de Gestão de Dados para projetos H2020.
  • Requisitos na prática.

Poderá ver e rever os conteúdos deste Webinar nas seguintes ligações:

Fique a par de outros Webinars OpenAIRE em: https://goo.gl/nmi5CL

Autor: André Vieira

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 16 de Maio de 2018 Read More →
Publicadas duas fact sheets OpenMinted & OpenAIRE sobre Creative Commons e Open Science

Publicadas duas fact sheets OpenMinted & OpenAIRE sobre Creative Commons e Open Science

No atual paradigma da sociedade da informação e do conhecimento, temos assistido a um aumento exponencial dos dados de investigação, a partir dos quais surgem novas oportunidades de análise para a sua compreensão. Neste contexto o Text and Data Mining (TDM) tem emergido como uma ferramenta poderosa para tirar proveito da riqueza dos dados e conteúdos estruturados e não estruturados, através da sua análise a vários níveis e dimensões com vista à descoberta de novo conhecimento.

Perante esta realidade, vários desafios são colocados aos investigadores e às ações de TDM, nomeadamente de ordem legal. O projeto OpenMinted (an EC/H2020 funded project), que tem como objetivo a criação de uma infraestrutura aberta e orientada a serviços para o TDM de conteúdo científico e académico, produziu no âmbito da sua atividade e em colaboração com o OpenAIRE, dois documentos de suporte legal para auxiliar a comunidade científica a compreender a razão pela qual o licenciamento assume uma importância relevante para a investigação e para as aplicações de TDM, apresentando ainda recomendações sobre as licenças Creative Commons a utilizar.

O documento intitulado Fact Sheet on Creative Commons & Open Science, contém questões e respostas às preocupações comuns em torno da Ciência Aberta e as implicações do licenciamento de dados através das licenças Creative Commons.

Disponível no Zenodo: https://zenodo.org/record/840652#.WtS4m4jwbIV
DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.840652

O segundo documento – Frequently Asked Questions on Creative Commons & Open Access – reúne um conjunto de perguntas e respostas focadas em preocupações comuns relacionadas com o Acesso Aberto, as licenças Creative Commons e a publicação dos resultados de investigação.

Disponível no Zenodo: https://zenodo.org/record/841086#.WtS5MIjwbIU
DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.841086

Estes documentos de suporte têm como propósito auxiliar investigadores, profissionais de informação, gestores e outros utilizadores, na utilização de licenças Creative Commons nos seus trabalhos e promover o movimento do Acesso Aberto.

Autor: André Vieira

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 17 de Abril de 2018 Read More →
Conteúdos do webinar – Acesso Aberto a publicações no H2020

Conteúdos do webinar – Acesso Aberto a publicações no H2020

No passado dia 27 de março aconteceu o webinar dedicado ao tema: Acesso Aberto a publicações no H2020.

 

Eloy Rodrigues e Pedro Príncipe abordaram aspetos fundamentais sobre as diretrizes da EU, para cumprimento dos requisitos inerentes ao Acesso Aberto no H2020, bem como responderam a questões mais práticas sobre onde, o quê, como e quando depositar os resultados do seu projeto de investigação.

Neste âmbito foram igualmente evidenciados os serviços OpenAIRE, no apoio à implementação das políticas de Acesso Aberto, potenciando, agilizando e facilitando todo este processo, na medida em que auxiliam na criação de maior visibilidade aos resultados; conferindo-lhe maior impacto e simplificando o processo de reporting à EU.

Poderá ver e rever este webinar aqui,

Slides – https://drive.google.com/file/d/1evOXeiC2nPqmM2UveINE0yE6JU3GrKoZ/view

Gravação – https://youtu.be/1AVkb4HsNvc

Informamos que a próxima apresentação será no dia 3 de maio, subordinado ao tema: Dados Abertos e Planos de Gestão de Dados no H2020. Contamos consigo para divulgar e promover a Ciência Aberta!

Mais Informações: https://openaccess.sdum.uminho.pt/?p=5071

Autor: Paula Moura

Projetos Open Access | Universidade do Minho - Serviços de Documentação

By 9 de Abril de 2018 Read More →

Warning: Use of undefined constant yes - assumed 'yes' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/hosting/openaccess.sdum.uminho.pt/wp-content/themes/wp-bold/index4.php on line 327