SOBRE OS PROJETOS

Apresentações e vídeos: ConfOA 2017

Apresentações e vídeos: ConfOA 2017

Encontram-se já disponíveis as apresentações e os vídeos da 8ª Conferência Luso Brasileira de Acesso Aberto, evento que se realizou na Fiocruz – Fundação Oswaldo Cruz, em parceria com a FCCN, os Serviços de Documentação da Universidade do Minho e o IBICT, nos dias 4, 5 e 6 de outubro de 2017.

À semelhança do que tem vindo a acontecer, a edição deste ano superou as expectativas:

  • Apresentações:
    • 7 Comunicações
    • 36 Pechas Kuchas
    • 50 Pósteres
  • Participantes:
    • 275 participantes
    • 47 participantes no Workshop Gestão de Repositórios Integrados
    • 38 participantes np Workshop Gestão de Dados de Pesquisa: os princípios FAIR e as estratégias institucionais
  • Redes Sociais:
    • 22.207 alcance geral
    • 5604 pessoas alcançadas pelos vídeos
    • 620 visualizações na página
    • 1645 likes na página do Facebook da Conferência.
  • Trasnmissão:
    • 510 acessos, divididos por 20 estados do Brasil e 6 países.

Destaca-se também a abrangência dos temas abordados, sem descurar o histórico temático da conferência, ampliando-se o escopo do Acesso Aberto à Ciência Aberta.

A 8ª Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto reuniu as comunidades portuguesa e brasileira que desenvolvem atividades de investigação, desenvolvimento, gestão de serviços e definição de políticas, relacionadas com o acesso aberto ao conhecimento, através de repositórios e de revistas de acesso livre.

A próxima ConfOA terá lugar no ISCTE-IUL, em Lisboa, nos dias 2, 3 e 4 de outubro de 2018.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 13 de Outubro de 2017 Read More →
ConfOA afirma-se como o evento de Ciência Aberta no espaço lusófono: do Acesso Aberto à Ciência Aberta

ConfOA afirma-se como o evento de Ciência Aberta no espaço lusófono: do Acesso Aberto à Ciência Aberta

Nos passados dias 4, 5 e 6 de outubro teve lugar a 8ª Conferência Luso-Brasileira de Acesso Aberto na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rio de Janeiro. Um evento de sucesso no número de comunicações e trabalhos apresentados, no número de participantes e envolvimento das instituições de investigação, mas igualmente na amplitude dos temas abordados no âmbito da Ciência Aberta.

O caminho de expansão da temática em debate na conferência foi claramente assumido nesta ConfOA 2017, ficando agora evidenciado que este já não é um evento apenas sobre repositórios e acesso aberto, é um espaço onde se pretende trabalhar as diferentes dimensões da Ciência Aberta, apresentado desenvolvimentos no domínio dos dados abertos, discutindo políticas integradas de promoção da ciência e inovação baseados nos princípios da ciência aberta, trabalhando os aspetos técnicos que conferem mais acessibilidade e interoperabilidade às ferramentas e sistemas que suportam a realização do acesso aberto às publicações e a outros produtos e resultados da investigação.

Os temas em debate no arranque e fecho da conferência são paradigmáticos da expansão em curso: o aprofundamento dos princípios FAIR para os dados, com o keynote de Barend Mons, e as recomendações para a próxima Geração de Repositórios com a conferência final de Eloy Rodrigues. Mas pelo meio houve muito mais sinais do alargamento do foco da ConfOA com a diversidade de trabalhos apresentados: dados governamentais abertos, gestão de dados de investigação, sistemas CRIS para gestão de ciência, integração de repositórios institucionais com outros sistemas de gestão de ciência, qualidade e internacionalização de revistas científicas de acesso aberto, importância da produção de livros de acesso aberto, recursos educacionais abertos, políticas de copyright e o acesso aberto, avaliação da investigação, comunicação científica e ciência cidadã… Por último, os workshops realizados, um sobre “Os princípios FAIR Data e as estratégias institucionais na Gestão de Dados”, por Barend Mons, GO FAIR e Pedro Príncipe da UMinho, e o outro dedicado à “Gestão de Repositórios Integrados”, por José Carvalho e Raquel Truta da UMinho e Tainá Assis do IBICT, revelam as necessidades de capacitação a desenvolver atualmente na comunidade luso-brasileira da ciência aberta. E vale a pena não esquecer que a sessão de abertura e consequente sessão sobre “Políticas de Acesso Aberto e Ciência Aberta em Portugal e no Brasil” teve como mote a assunção que atualmente o desafio é o de trabalhar os instrumentos para realizar a Ciência Aberta.

O caminho faz-se caminhando… e é isso mesmo que está acontecendo com a natural expansão em curso na temática da ConfOA – trabalhar em cooperação para mais ciência aberta no espaço de investigação lusófono.

Autor: Pedro Príncipe

Profissional de informação, documentação e comunicação. Actualmente nos serviços de documentação da Univ. Minho como gestor de projectos Open Access - OpenAIRE e OpenAIREplus. Formador de TIC. Vive com paixão!

By 10 de Outubro de 2017 Read More →
CALL: Acolhimento da 9ª Conferência Luso Brasileira de Acesso Aberto

CALL: Acolhimento da 9ª Conferência Luso Brasileira de Acesso Aberto

Período de manifestações de interesse e candidaturas

Informam-se todas as instituições do sistema científico e de ensino superior nacional que se encontra aberto o período para apresentação de candidaturas para acolhimento da 9ª Conferência Luso Brasileira de Acesso Aberto.

As conferências Luso Brasileiras de acesso aberto surgiram na sequência do Memorando de Entendimento assinado entre os Ministros da Ciência e Tecnologia de Portugal e do Brasil em outubro de 2009. A primeira foi organizada em 2010 pela Universidade do Minho e a oitava irá realizar-se-á de 4 a 6 de outubro de 2017 no Rio de Janeiro, Brasil.

Estas conferências pretendem reunir as comunidades brasileiras e portuguesas que desenvolvem actividades (pesquisa, desenvolvimento, gestão de serviços, definição de políticas, etc.) relacionadas com o acesso aberto e a ciência aberta.

As instituições que estejam interessadas em acolher a 9ª Conferência Luso Brasileira de Acesso Aberto deverão, até ao dia 3 de Julho de 2017, comunicar esse interesse enviando uma mensagem de correio electrónico para o endereço info@rcaap.pt, com os seguintes elementos:

  1.    Nome e breve caracterização da instituição;

  2.    Motivação para acolherem a conferência;

  3.    Composição da comissão organizadora local (2 a 3 elementos) que será responsável por, em articulação com a comissão organizadora permanente portuguesa e brasileira, organizar a conferência;

  4.    Caracterização dos espaços considerando que:

  5. a)    É necessário um auditório com capacidade para cerca de 300 pessoas;

  6. b)    São necessários espaço(s) junto ao local da conferência para afixação dos posters, para a realização de coffee breaks e de almoços, e para o registo dos participantes;

  7. c)    É desejável dispor de outra sala/auditório com capacidade para cerca de 100 pessoas (para o caso de ser necessário realizar sessões paralelas);

  8. d)    É desejável dispor de 1 ou 2 salas pré/pós evento, com capacidade para entre 50 e 100 pessoas, para eventuais tutoriais/oficinas conferência;

  9.   Caracterização dos serviços de áudio e vídeo indicando não apenas as principais características do equipamento disponível em cada um dos espaços como também os potenciais recursos para os operarem;

  10.   Confirmação da disponibilidade em assegurar as actividades de logística considerando que é necessário tratar dos aspectos relacionados com as inscrições e coffee-breaks de todos os participantes; o alojamento, viagens e refeições dos convidados; o merchandising (pastas/mochilas, pendurantes/crachats e eventualmente outros materiais) e ainda materiais de promoção, divulgação e sinalética bem como a relação com potenciais patrocinadores;

  11.    Custos a suportar pela FCT|FCCN. Considerando uma estimativa global dos custos totais do evento (viagens e alojamento de convidados, merchandising e materiais de promoção, coffee-breaks, refeições dos membros da comissão organizadora, científica e convidados, etc.), a existência de eventuais patrocínios e de suporte financeiro da própria instituição, quais os custos que teriam de ser suportados pela FCCN.

A FCT|FCCN assegurará a disponibilização e a gestão da plataforma de gestão da conferência.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 23 de Maio de 2017 Read More →
Acordo Internacional reforça aliança entre redes de repositórios de todo o mundo

Acordo Internacional reforça aliança entre redes de repositórios de todo o mundo

No passado dia 8 de maio de 2017 em Veneza – Itália, várias redes de repositórios regionais e nacionais aprovaram formalmente um acordo internacional que irá conduzir a um melhor alinhamento das redes de repositórios em todo o mundo. O objetivo do acordo é melhorar a cooperação entre redes de repositórios nacionais e regionais, identificando princípios comuns e áreas de colaboração que conduzirão ao desenvolvimento de serviços globais.

Os repositórios desempenham um papel fundamental e crescente no apoio ao Acesso Aberto e à Ciência Aberta, e existem milhares de repositórios por todo o mundo que oferecem acesso a artigos científicos, dados de investigação e outros tipos de conteúdo. Cada vez mais, estes repositórios estão ligados através de redes nacionais e regionais que definem diretrizes para as respetivas comunidades, e oferecem valiosos serviços sobre os conteúdos que disponibilizam. No entanto, dada a natureza internacional da investigação científica, é fundamental que estas redes de repositórios trabalhem em conjunto para garantir a sua interoperabilidade, ao mesmo tempo que suportam as necessidades específicas das suas comunidades locais.

O acordo internacional, desenvolvido pela COAR – Confederation of Open Access Repositories – irá promover relações mais estreitas entre as redes regionais e servirá de enquadramento para a realização de atividades específicas, incluindo a troca de metadados entre diferentes redes, a adoção de diretrizes e APIs comuns , bem como a implementação de funcionalidades partilhadas. O acordo foi assinado por representantes da Austrália, Canadá, China, Europa, América Latina, Japão, África do Sul e Estados Unidos.

“Partilhamos a visão comum de uma infraestrutura de Ciência Aberta distribuída e baseada na comunidade, a nível mundial”, referiu Eloy Rodrigues, presidente da COAR. “Mas para alcançar esta visão, temos de trabalhar juntos”. Nas próximas semanas o COAR, juntamente com os signatários, irá trabalhar para definir os vários níveis de colaboração, com o objetivo de posicionar os repositórios como a bases para um espaço de conhecimento global e comum.

O acordo pode ser consultado em: https://www.coar‑repositories.org/activities/advocacy‑leadership/aligning-repository-networks-across-regions/

 

 

Autor: Eloy Rodrigues

Diretor dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho

By 10 de Maio de 2017 Read More →
“Kit de Dados Científicos – RCAAP” já disponível para download e consulta

“Kit de Dados Científicos – RCAAP” já disponível para download e consulta

O “Kit de Dados Científicos – RCAAP” já se encontra disponível para download e para consulta, nos sites do projeto e de eLearning do RCAAP, respetivamente. Este trabalho foi recentemente apresentado à comunidade enquanto flash-talk no 2ºFórum de Dados de Investigação.

 

 

By 8 de Maio de 2017 Read More →

ÚLTIMOS RECURSOS

CONFOA 2017 – Workshop – Repositórios Integrados

CONFOA 2017 – Workshop – Repositórios Integrados

No âmbito da oitava edição da Conferência Luso-brasileira de Acesso Aberto, foi organizado um workshop “Repositórios Integrados” com o contributo dos parceiros brasileiros do IBICT.

Este workshop visou sensibilizar os gestores de repositórios e gestores de ciência para a importância de dotarem os seus repositórios de protocolos de interoperabilidade para poderem comunicar e interagir com outros sistemas. Além disso reforçou-se a necessidade de implementarem diretrizes internacionais focadas numa linguagem comum de gestão e organização da informação científica.

Desta forma, será possível fortalecer as redes internacionais e o desenvolvimento de serviços baseados nessas redes de repostiórios e tornar o conteúdos dos investigadores mais visíveis no contexto global.

As apresentações do workshop estão disponíveis em: https://www.slideshare.net/ConfOA/workshop-repositrios-integrados 

Autor: José Carona Carvalho

Gestor de Projeto no Gabinete de Projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. Gestão dos serviços de informação, apoio e formação são as áreas de intervenção.

By 19 de Outubro de 2017 Read More →
Erasmus Staff Training: Espanha nas primeiras visitas de 2017 aos SDUM

Erasmus Staff Training: Espanha nas primeiras visitas de 2017 aos SDUM

De 13 a 17 de março de 2017 os Serviços de Documentação da UMinho deram as boas-vindas a duas colegas de Espanha, Isàvena Opisso Atienza da Universidade de Barcelona e Maria Amparo Cózar Santiago da Universidade de Navarra, em mais uma semana de Erasmus Staff Training.

erasmus.fw

A equipa dos Serviços de Documentação apresentou os projetos Open Access em que tem participado, quer a nível nacional (projeto RCAAP), quer a nível internacional com foco no projeto OpenAIRE. Já o RepositóriUM com destaque nos workflows, política institucional, procedimentos de monitorização e estatística, foi também apresentado neste intercâmbio profissional.

Como tem sido habitual nestes programas, também esta semana se tem revelado numa excelente oportunidade para troca de experiências profissionais e partilha de informação sobre diferentes realidades universitárias, em benefício do Acesso Aberto na Europa.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 17 de Março de 2017 Read More →
Próxima geração de repositórios institucionais: chamada para comentários públicos

Próxima geração de repositórios institucionais: chamada para comentários públicos

A Confederação de Repositórios de Acesso Aberto (COAR) anuncia a publicação dos resultados iniciais do Grupo de Trabalho COAR Next Generation Repositories para comentários públicos.

COAREm abril de 2016, a COAR lançou um grupo de trabalho para identificar novas funcionalidades e tecnologias para os repositórios e desenvolver mecanismos para a sua adoção.

O objetivo é posicionar os repositórios como a base para uma infraestrutura distribuida, globalmente em rede para a comunicação académica, acrescentando serviços de valor acrescentado, transformando o sistema, tornando-o mais centrado na pesquisa, aberto e apoiante da inovação.

Subjacente a essa visão está a ideia de que uma rede distribuída de repositórios pode e deve ser uma poderosa ferramenta para promover a transformação do ecossitema, ou seja, a comunicação académica. Neste contexto, os repositórios permitirão o acesso a artigos publicados com uma ampla gama de informação, além de publicações tradicionais, tais como documentos de trabalho, imagens, entre outros.

O grupo de trabalho apresenta 12 testemunhos de utilizadores que deliniaram funcionalidades para os repositórios, os quais recomendamos, vivamente, que consultem e comentem: nextgenrepo.coar-repositories.org

Pretende-se ter um feedback generalizado da comunidade, pelo que, todos os comentários são importantes!

Os comentários ao público estão abertos de 7 de fevereiro a 3 de março de 2017.

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 13 de Fevereiro de 2017 Read More →
MCTES, em articulação com o MC, pretende criar um Diretório de Repositórios Digitais

MCTES, em articulação com o MC, pretende criar um Diretório de Repositórios Digitais

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em articulação com o Ministério da Cultura, está a criar um Diretório de Repositórios Digitais (DRD).

rdcO DRD (http://repositorios-conhecimento.pt) é uma infraestrutura digital criada com o propósito de identificar e constituir um referencial de acesso aos repositórios digitais de Portugal nas áreas da Ciência e da Cultura, no sentido de divulgar e estimular a utilização dos repositórios digitais, bem como promover a normalização técnica e práticas de preservação digital

Esta iniciativa reflete a política do governo no sentido da valorização da produção científica nacional, da promoção do conhecimento e da criação de condições para a sua partilha, a preocupação no sentido do reforço da responsabilidade cultural e patrimonial, em articulação com o enunciado conducente à adoção de uma política nacional de ciência aberta (http://www.ciencia-aberta.pt/pnca), contemplando a promoção e a difusão da cultura científica e tecnológica e a cooperação internacional, nomeadamente com os países de língua oficial portuguesa.

A primeira fase deste projeto – identificação e caracterização dos repositórios digitais pertencentes a instituições de ciência e cultura – decorre até 30 de janeiro, estando disponível um formulário para recolha de dados.

Qualquer pedido de esclarecimento deverá ser enviado para repositorios-conhecimento@mctes.gov.pt

Autor: Raquel Truta

Membro da equipa de projetos Open Access dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

By 5 de Janeiro de 2017 Read More →
Apresentações do Workshop OpenAIRE Portugal – Ciência Aberta, Open Access & Open data no H2020

Apresentações do Workshop OpenAIRE Portugal – Ciência Aberta, Open Access & Open data no H2020

Decorreu no dia 4 de novembro de 2016 o Workshop OpenAIRE Portugal dedicado ao tema: “Ciência Aberta e os requisitos dos financiadores: Open Access e Open Data no H2020”.

banner_workshop_openaire

Todas as apresentações realizadas ficam disponíveis para download:

Apresentação do workshop e introdução OpenAIRE, Ana Miguéis (Universidade do Coimbra) e Eloy Rodrigues (Universidade do Minho) – SLIDES

From Open Access to Open Science, Stephen Curry (Imperial College London – Faculty of Natural Sciences) – SLIDES

Acesso Aberto no H2020: requisitos da política de Acesso Aberto da CE no Horizonte 2020, Eloy Rodrigues (Universidade do Minho) – SLIDES

Dados Abertos no H2020: projeto piloto dos dados abertos e gestão de dados de investigação no Horizonte 2020, Pedro Príncipe (Universidade do Minho) – SLIDES

OpenAIRE: serviços e ferramentas para projetos, Pedro Príncipe (Universidade do Minho) – SLIDES

image1

Autor: Pedro Príncipe

Profissional de informação, documentação e comunicação. Actualmente nos serviços de documentação da Univ. Minho como gestor de projectos Open Access - OpenAIRE e OpenAIREplus. Formador de TIC. Vive com paixão!

By 8 de Novembro de 2016 Read More →